Ferry boat de Guaratuba volta a operar após horas de negociação

Por volta das 17h de ontem, ex-funcionários da BR Travessias bloquearam o acesso aos atracadouros em uma reivindicação pelo pagamento dos salários atrasados

11 de fevereiro de 2022, 08:33

Reprodução/Portal Litorânea 91.5
Reprodução/Portal Litorânea 91.5

Após três horas de negociações com trabalhadores, o ferry boat de Guaratuba voltou a funcionar. Por volta das 17h de ontem, quinta-feira (10), ex-funcionários da BR Travessias bloquearam o acesso aos atracadouros em uma reivindicação pelo pagamento dos salários atrasados.

O serviço só foi restabelecido depois da intermediação do prefeito de Guaratuba, Roberto Justus, e do deputado estadual Nelson Justus, segundo o Portal Litorânea 91.5. A empresa que assumiu a travessia às 0h01 de ontem, INC Internacional Marítima, ofereceu o pagamento dos salários atrasados no prazo de até 24 horas, ou seja, até esta sexta-feira (11), além de contratar os trabalhadores. O serviço de ferry boat na travessia de Guaratubá/Caiobá retomou as operações por volta das 21h. 

IMPASSE

Se a nova empresa responsável pelo serviço não tivesse realizado o acordo, os funcionários não teriam uma perspectiva de receber o dinheiro tão cedo. Isso porque, por se tratar de uma relação público-privada, os parlamentares e o Governo do Estado precisaram entrar com uma ação para solicitar a autorização da intervenção do DER-PR (Departamento de Estradas de Rodagem) no pagamento dos trabalhadores. 

E isso não é possível sem a ação ser julgada, mesmo em regime de urgência pelo TJPR (Tribunal de Justiça do Paraná). Para os ex-trabalhadores da BR Travessia, o prefeito disse que a medida garante que caso a empresa não cumpra com o dever de pagar o valor devido, o próprio DER-PR poderia arcar com a execução da dívida. 

FERRY BOAT DE GUARATUBA

Depois de meses com problemas na travessia do ferry boat em Guaratuba, nesta semana foi anunciada uma nova empresa administradora da operação. A empresa Internacional Marítima será a responsável pelo serviço até uma nova licitação ser aberta.

"Vai ser uma operação emergencial porque vínhamos tentando que a concessionária que está lá cumprisse tudo o que estava no edital para o qual ela foi contratada. Após não termos sucesso administrativamente, chegamos à caducidade do contrato”, explicou o diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem (DER/PR), Fernando Furiatti.

O Governo do Paraná aplicou mais de 141 autos de infração na antiga empresa, a BR Travessias, devido ao mau atendimento da população no ferry boat em Guaratuba. O contrato com foi assinado em abril de 2021 e tinha duração de dez anos.

Vale lembrar que a construção da Ponte de Guaratuba - responsável pela ligação de Guaratuba e Matinhos, está em fase de Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental.