Ferry boat terá restrição de veículos pesados a partir de sexta

Nos últimos meses, a travessia entre Matinhos e Guaratuba tem gerado complicações para quem passa de automóvel pelo trecho.

Johan Gaissler - 07 de abril de 2022, 14:08

(Foto: José Fernando Ogura/AEN)
(Foto: José Fernando Ogura/AEN)

O ferry boat que liga as cidades de Matinhos e Guaratuba terá restrição de veículos pesados a partir desta sexta-feira (08). De acordo com o Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER-PR), a medida acontece por causa da manutenção nas embarcações e nos atracadouros, e visa evitar a formação de filas.

O tráfego de veículos pesados com mais de três eixos e/ou superior a 14 metros ficará restrito na travessia da Baía de Guaratuba das 6 às 22 horas, exceto o transporte coletivo de passageiros e veículos prestadores de serviços públicos.

O único modo de atravessar a baía é através de balsas. Nos últimos meses, a travessia tem gerado complicações para quem passa de automóvel pelo trecho.

Em abril de 2021, a empresa BR Travessias assumiu a concessão do trecho e passou a operar o ferry boat. No entanto, falhas mecânicas deixaram balsas à deriva em algumas oportunidades, além de interdições de plataformas e rebocadores por parte da Marinha do Brasil.

No início do segundo semestre do ano passado, a cidade de Guaratuba chegou a decretar estado de calamidade pública por conta dessas complicações que impediam o acesso à uma das entradas do município do litoral do Paraná.

Os problemas se mantiveram com novos acidentes, filas para a entrada nas balsas e consequente maior tempo para a realização da travessia. Nas primeiras semanas de 2022, Guaratuba decretou nova situação de emergência em plena temporada de verão, quando a cidade tem maior movimento de turistas.

Em fevereiro, o Governo do Paraná rompeu o contrato vigente com a BR Travessias e assinou um contrato emergencial com outra empresa, a Internacional Marítima, que faz outras travessias nos litorais de São Paulo e do Maranhão

Mesmo com a nova gestão, os problemas continuaram, como longo tempo de espera e colisões durante a travessia.

Procurada pela reportagem, a Internacional Marítima não se pronunciou sobre os acidentes recentes que aconteceram na Travessia de Guaratuba.