Polícia encerra festa clandestina em chácara e prende organizadores no Paraná

Uma festa clandestina com cerca de 180 pessoas foi interrompida pela Polícia Civil do Paraná (PCPR) após denúncias da po..

Redação - 17 de maio de 2020, 19:29

Chácara de Colombo recebeu festa clandestina. (Reprodução / Facebook)
Chácara de Colombo recebeu festa clandestina. (Reprodução / Facebook)

Uma festa clandestina com cerca de 180 pessoas foi interrompida pela Polícia Civil do Paraná (PCPR) após denúncias da população. A ação aconteceu na madrugada deste domingo (18) dentro da chácara Holz, localizada em Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba, e resultou na prisão de quatro pessoas.

Conforme o decreto estadual, é proibido a realização de festas durante a pandemia do coronavírus.

Segundo a polícia, a festa foi combinada em um grupo de WhatsApp e o número de presentes ultrapassava o limite da capacidade do espaço onde o evento foi realizado.

Dois homens e duas mulheres foram identificados como os organizadores do evento. Eles cobraram a entrada por R$ 20 para homens e R$ 10 para mulheres. No total, foram apreendidos R$ 1,2 mil de valores referentes às entradas. Além disso, o bar da chácara, com cardápio de cervejas e destilados, estava funcionando.

13 pessoas foram encaminhadas à Decrisa (Delegacia de Repressão aos Crimes contra a Saúde) e os quatro organizadores foram presos.

Três deles já pagaram fiança e responderão em liberdade. Eles foram autuados por associação criminosa e infração de medida sanitária. Somadas, as penas desses crimes podem chegar a cinco anos de prisão. Já o outro suspeito permanece detido na Decrisa (Delegacia de Repressão aos Crimes contra a Saúde).

A delegada Aline Manzzato, que comandou a operação, concederá entrevista na manhã desta segunda-feira (18) conforme a assessoria da PCPR.

POLÍCIA INVESTIGA FESTAS CLANDESTINAS NO PARANÁ

Ao menos cinco festas clandestinas em todo o Paraná são sendo investigadas pela Polícia Civil.

Na última quinta-feira (13), o secretário estadual do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes, estava em uma suposta festa no Instituto Água e Terra (IAT), órgão do governo estadual, em Umuarama, na região noroeste. Segundo denúncias de vizinhos, a sede estaria sendo palco para um churrasco. Contudo, o secretário nega e diz que cumpria agenda.

Já no decorrer desta semana, a polícia ouviu depoimentos sobre um evento com mais de 100 pessoas realizado no bairro Campo Comprido, em Curitiba. Diversos vídeos da festa foram compartilhados nas redes sociais e serviram nas investigações.

A Decrisa reforça o pedido para a população denunciar qualquer tipo de festa clandestina durante a pandemia do coronavírus pelos telefones: (41) 38837120 ou 181.