Funcionários da BR Travessias encerram greve após promessa de pagamento de salários

Os trabalhadores retomaram o serviço após a concessionária BR Travessias se comprometer a quitar os débitos até o final da semana.

Angelo Sfair - BandNews FM Curitiba - 09 de fevereiro de 2022, 16:12

Foto: Geraldo Bubniak/AGB
Foto: Geraldo Bubniak/AGB

Atrasos no pagamento de salários levaram funcionários do ferry-boat de Guaratuba, no Litoral do estado, a paralisarem as atividades ontem (terça, 8). O serviço de travessia foi completamente interrompido por mais de uma hora. As informações são da BandNews Curitiba.

A greve teve início por volta das duas horas da tarde. Os trabalhadores retomaram o serviço após a concessionária BR Travessias se comprometer a quitar os débitos até o final da semana.

Na manhã desta quarta-feira (9), ouvintes da BandNews FM voltaram a relatar problemas com longas filas de espera e dificuldades para realizar a travessia da Baía de Guaratuba.

De acordo com os funcionários, há atrasos de salários e pagamentos de horas-extras desde dezembro. Sem um posicionamento claro da empresa sobre o problema, os trabalhadores decidiram cruzar os braços para que a situação fosse discutida. Procurada, a BR Travessias não respondeu aos questionamentos da reportagem.

DER muda a empresa responsável pela travessia em Guaratuba

O serviço de travessia da Baía de Guaratuba tem registrado muitos problemas desde que a concessão foi assumida pela empresa BR Travessias, em abril do ano passado. Os usuários das balsas e ferry-boats avaliam que a situação piorou com o passar dos meses.

Além da demora em realizar o trajeto que liga Matinhos a Guaratuba, com esperas que passam de cinco horas em dias de maior movimento, há relatos sobre a falta de segurança da travessia.

Nos últimos meses, vários casos de balsas à deriva foram denunciados pela população e pela própria Prefeitura de Guaratuba, que por duas vezes decretou estado de calamidade pública devido à crise do ferry-boat. O estado de conservação das embarcações e atracadouros também é questionado por quem depende do serviço público.

Sem vislumbrar uma forma de melhorar a situação do ferry-boat, o DER decidiu nessa semana romper o contrato com a BR Travessias. Uma semana atrás, o governador Ratinho Junior (PSD) havia afirmado que o serviço seria revisado depois da temporada de verão. O governo agora trabalha para contratar de forma emergencial uma nova empresa para operar o ferry-boat pelo período de seis meses, até que uma nova licitação seja realizada.