Operação do Gaeco investiga incêndio que destruiu Vila Corbélia

Francielly Azevedo

incêndio na Vila Corbélia em Curitiba

O Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) do MP-PR (Ministério Público do Paraná) deflagrou, nesta quarta-feira (18), a segunda fase da Operação Tális, que investiga mortes e o incêndio que destruiu centenas de casas na Vila Corbélia, no bairro Cidade Industrial (CIC), em Curitiba. O caso aconteceu no dia 7 de dezembro de 2018.

Segundo o Gaeco, são cumpridos 19 mandados de busca e apreensão em 16 residências de policiais militares na capital, uma em Araucária, uma em Ponta Grossa e uma em São José do Seridó, município do Rio Grande do Norte.

O coordenador do GAECO, Leonir Batisti, disse mais cedo que a investigação está sobre sigilo e que espera solucionar o mais rápido possível a relação da morte do policial e dos civis envolvidos no crime. “Estamos fazendo o que é possível fazer para apurar os fatos mencionados, além do incêndio que acabou com a Vila Corbélia”, afirmou.

Veja o material apreendido agora cedo

O INCÊNDIO

O incêndio de grandes proporções aconteceu na madrugada do dia 7 de dezembro. Um dia antes, um policial militar e dois moradores da vila foram mortos e um motorista de aplicativo ficou ferido a tiro. A Polícia Militar, o Ministério Público do Paraná e a Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa abriram diligências para apurar as circunstâncias dos ocorridos.

O policial militar Erick Nório, do 23º Batalhão, foi atingido por tiros ao chegar na comunidade para atender uma ocorrência de perturbação de sossego. Na mesma noite, a Vila foi incendiada. Moradores acusaram a PM de represália. Já a PM atribuiu o incêndio a uma ação do “crime organizado” e rebateu a acusação.

Após os fatos, um vídeo foi entregue ao Ministério Público do Paraná. Nele, dois homens, que vestem coletes balísticos da Polícia Militar, descem de um carro branco e atiram contra casas e ordenam que moradores de uma área de invasão em Curitiba se recolham.

Dias depois, após a divulgação do vídeo, a PM confirmou que os homens que aparecem atirando horas antes do início do incêndio no local pertencem à corporação.

Na ocasião, moradores relataram terem sido torturados e testemunharam policiais consumindo cocaína e espalhando gasolina sobre casas momentos antes do início do fogo.
Previous ArticleNext Article
Jornalista, formada pela Universidade Tuiuti do Paraná. Tem passagens pela TV Educativa, TV Assembleia, TV Transamérica, CATVE, Rádio Iguassu e Folha de Londrina. Atualmente trabalha no Paraná Portal e na Rádio CBN.
[post_explorer post_id="658181" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]