Governo autoriza obras no trapiche da Ilha do Mel; estrutura cedeu quatro vezes em um ano

Redação e AEN


A licitação das obras de reparos e melhorias dos trapiches existentes de Encantadas e Nova Brasília, na Ilha do Mel, foi autorizada pelo governador Ratinho Junior, nesta quinta-feira (15), durante evento na sede administrativa da empresa Portos do Paraná.

O prazo para entrega, depois de publicada a licitação, será de sete meses. A contratação inclui o fornecimento de todo o material, mão de obra, equipamentos e ferramentas, além da destinação final dos materiais que não forem reaproveitados na obra.

Ratinho Junior afirmou que o Estado trabalha para ampliar a imagem do Paraná como destino turístico do Brasil, e que a região litorânea é fundamental nesse processo. “Teremos, na Ilha do Mel, trapiches muito mais modernos, com acessibilidade e conforto para receber os turistas”, afirmou.

Os trapiches da Ilha do Mel fazem parte de um conjunto de 14 estruturas, com projetos custeados pela Administração dos Portos do Paraná: nove serão reformadas e cinco serão construídos. Os projetos estão sendo realizados dentro do prazo de 270 dias, e devem ser entregues até dezembro deste ano.

Serão reformados os trapiches nas comunidades de Amparo, Europinha, Eufrasina, Ilha do Mel (Brasília e Encantadas), Ilha do Teixeira, Piaçaguera, Rocio e Vila Maciel. Novas estruturas serão construídas na Ilha dos Valadares (um no mar de fora e outro próximo à passarela), em Pontal do Sul (Vila dos Pescadores) e em Antonina (na Ponta da Pita e no Portinho).

“O porto fará os projetos e a executará das obras e, depois de concluídos, a gestão e manutenção dos equipamentos ficará a cargo dos municípios, explica o diretor de Meio Ambiente da Portos do Paraná, João Paulo Ribeiro Santana.

PROBLEMAS FREQUENTES

As obras de reforma gerenciadas pelo IAP (Instituto Ambiental do Paraná) começaram em outubro 2016 no trapiche, depois que uma ressaca, em agosto do mesmo ano, danificou a estrutura.

A empresa vencedora da licitação, a Serrana Engenharia, deveria concluir a obra em 120 dias, a um valor inicial de R$ 325 mil. Porém, 15 aditivos contratuais prorrogaram o prazo até janeiro de 2019 e fizeram o valor aumentar em 15%, chegando a R$ 374 mil.

Mas nenhum reparo foi efetivo e o trapiche registrou diversos problemas. Entre os mais recentes, no dia 30 de dezembro de 2018, às vésperas do réveillon, o trapiche caiu quando cerca de 20 pessoas esperavam a chegada das barcas. Por sorte, os turistas conseguiram voltar em segurança para a areia sem que ninguém se machucasse.

A Capitania dos Portos do Paraná (CPPR) chegou a interditar em fevereiro o local. Apenas obras de reparos foram feitas, nenhuma delas efetiva.

Em junho deste ano, o trapiche voltou a ceder – foi a quarta fez em um período de 12 meses. Parte da estrutura chegou a ficar submersa, dificultando o embarque e desembarque de pessoas dos barcos. Na ocasião, o IAP reforçou a promessa da licitação para a reforma.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="651739" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]