Greve entra no segundo dia e servidores continuam ocupando prédio da Secretaria Municipal de Saúde

Ana Cláudia Freire

Segue pelo segundo dia a greve dos servidores da área de saúde, em Curitiba. A Guarda Municipal reforça a segurança do local.

Ao todo são 45 manifestantes que se recusam a deixar o prédio da sede da Secretaria Municipal de Saúde, enquanto não houver negociação.

Segundo o sindicato que representa a categoria, o SISMUC (Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba), na tarde de terça (2) houve uma reunião com os gestores municipais, mas até agora não houve acordo.

Os agentes de combate a endemias do município só devem deixar o prédio quando as negociações avançarem.

Manifestantes ocuparam a área da Ouvidoria, prejudicando o atendimento ao público. O barulho também estava prejudicando o trabalho da Central de Leitos. Por esta razão a Guarda Municipal foi chamada para reforçar a segurança no prédio.

O MOTIVO

Os agentes de edemias trabalham em áreas insalubres como lixões e ferros-velhos, no combate às doenças transmitidas pelo mosquito da dengue e da chikungunya,  por exemplo.

Eles reivindicam o direito de receber pelo risco de insalubridade, aumento salarial (atualmente o servidor recebe R$ 1.348,00), o direito ao quinquênio, melhorias no plano de saúde e um plano de carreira para a categoria.

Em nota, a Secretaria de Administração e de Gestão de Pessoal e a Secretaria da Saúde, informaram que a Prefeitura de Curitiba cumpre a legislação federal e garante o pagamento de valor superior ao piso válido para todo o país.

Ainda segundo a nota, a reunião nesta terça-feira (1/10) foi a terceira reunião para tratar de temas da categoria. As reuniões anteriores foram nos dias 12 de junho e 27 de setembro. Os empregados públicos da carreira dos agentes de combate às endemias têm remuneração de R$ 1.346,41. Lei federal fixa, para 2019, o piso de R$ 1.250. Os  representantes da Prefeitura de Curitiba esclareceram que não é possível proporcionar aumento diferenciado aos empregados públicos e que a revisão geral dos salários deverá ser a mesma para todos os agentes públicos (servidores e empregados públicos).

A Prefeitura informou ainda que os servidores foram orientados para que solicitem individualmente a análise de possível pagamento de gratificação por risco de saúde. Eles também foram informados do estudo do plano de carreira da categoria em 2020.

Caso decidam por manter a greve, as faltas ao trabalho continuarão sendo lançadas.

Cerca de 60 agentes de combate a endemias entraram em greve nesta segunda (30), após assembléia organizada pela categoria.

 

 

Previous ArticleNext Article
Avatar
Jornalista - Chefe de Redação do Paraná Portal