Professores, policiais e outros servidores do Paraná entram em greve nesta terça-feira

Angelo Sfair e Vinicius Cordeiro

greve servidores policiais professores

Com salários congelados há quatros anos, milhares de servidores públicos do Paraná entram em greve a partir desta terça-feira (25). A paralisação foi confirmada por professores da rede pública e superior do estado, policiais civis e militares, agentes penitenciários e várias outras classes de servidores estaduais. Até o momento, 30 entidades já confirmaram que cruzarão os braços.

Governo nega reposição enquanto renúncia fiscal vai engolir R$ 34 bilhões até 2022

Os trabalhadores denunciam uma defasagem de até 17% nos salários. Para os servidores, o governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD), está dando um “calote” e desrespeitando uma promessa de campanha.

Polícia Civil inicia greve com carreata nesta segunda-feira até o Palácio Iguaçu

Os servidores estaduais pedem no mínimo a recomposição salarial da inflação oficial do último ano, calculada em 4,94% no mês da data-base, segundo o índice IPCA.

Alguns servidores reclamam que o governador Ratinho Junior nem sequer sentou à mesa de negociações.

“Qual o medo de sentar para conversar com policiais? Governador: na mesa de negociações não estarão bandidos, serão policiais”, questionou o presidente do SINCLAPOL (Sindicato das Classes Policiais Civis do Estado do Paraná) Kamil Salmen.

Ele também revela que serão abertos processos contra o estado e a JMK, empresa responsável pela manutenção de viaturas. “Vamos entrar com ação porque está colocando a vida do policial ainda mais. Já temos perigo eminente, mas agora estamos andando com veículos nesse estado. Tem carro com mais de R$ 100 mil de manutenção, três vezes maior que o valor do próprio veículo. Um absurdo”, completou.

Sindicatos que representam os servidores públicos apontam que os salários congelados estão diminuindo sensivelmente o poder de compra e a qualidade de vida dos funcionários. Segundo o DIEESE, de 2015 a 2019, a água e o esgoto estão 30% mais caros; o gás de cozinha subiu 22,42%; e a gasolina aumentou 15% desde o último reajuste salarial.

“A Constituição diz que o salário não pode sofrer diminuição. Uma vez que o governo congela os salários por quatro anos, em razão da inflação, há essa diminuição. Temos uma perda salarial gigantesca. Se a água subiu 30% nesse período, com os nossos 17% de defasagem, já são 47% de perda de poder aquisitivo em relação a água, por exemplo”, argumenta o presidente da ADEPOL (Associação dos Delegados de Polícia do Estado do Paraná), delegado Daniel Fagundes.

Várias categorias de policiais civis se deslocaram em carreta para protestar nesta segunda-feira (24) em frente ao Palácio Iguaçu, sede do Executivo estadual. O governo do Paraná afirmou que não iria comentar a carreata das classes de policiais civis:

Greve não tem data para acabar

A Greve Estadual Unificada foi convocada pelo Fórum das Entidades Sindicais (FES). Com início marcado para estar terça-feira (25), a mobilização não tem data para acabar.

“A greve segue por tempo indeterminado, até que o governador Ratinho Júnior cumpra com suas promessas de não retirar direitos dos servidores e servidoras públicos”, diz o grupo, em comunicado.

> Governo não dará reajuste e greve dos servidores está marcada para dia 25

Governador se escora na Responsabilidade Fiscal

O governador Ratinho Junior (PSD), em agenda pelo interior do Paraná, afirmou que o estado não tem condições financeiras para dar o reajuste prometido aos servidores.

“Essa é uma discussão complexa. Entendo o trabalho dos servidores como árduo e importante. Mas temos de reconhecer que o Paraná está pagando o salário em dia. Há muitos estados com dificuldades de pagar até mesmo os aposentados”, justificou.

Nesse cenário, Ratinho condiciou o reajuste ao aumento e impostos.

“Não existe a possibilidade de reajuste, porque representaria quase R$ 1 bilhão a mais de gastos. Temos que trabalhar com a realidade. Isso exigiria aumento de arrecadação e a população já paga muito imposto”.

Confira a lista completa de entidades que entram em greve:

  • Polícia Civil (Sindipol, Adepol, Sinclapol, Sindespol)
  • APP-Sindicato (Professores(as) e Funcionários(as) de Escola)
  • Sintespo Ponta Grossa (Técnicos(as) e Professores(as) da UEPG)
  • Sindiseab (Servidores da Agricultura, Meio Ambiente, FUNDEPAR e afins)
  • SindipoL (Policiais Civis de Londrina e Região)
  • Sinpoapar (Peritos oficiais e Auxiliares)
  • Sindarspen (Agentes Penitenciários)
  • Sindiprol (Professores do ensino superior de Londrina e Região)
  • SindiSaude (Trabalhadores(as) da Saúde)
  • Assuel Londrina (Técnicos-administrativos da UEL)
  • Adunicentro (Sindicato dos docentes da Unicentro Irati e Guarapuava)
  • Sinduepg (Sindicato dos docentes da UEPG)
  • SinDetran (Servidores(as) do Dentran)
  • Sintesu (Docentes e Agentes Universitários de Guarapuava e Irati)
  • UEM ( 4 entidades)
  • Policia Militar (9 entidades)

Previous ArticleNext Article