Guarapuava volta a recomendar uso da máscara em ambientes fechados

A Secretaria de Saúde de Guarapuava recomenda o uso de máscaras em ambientes de risco para evitar o contágio da covid-19.

Vinicius Cordeiro - 06 de junho de 2022, 18:28

(José Fernando Ogura/AEN)
(José Fernando Ogura/AEN)

Assim como outras cidades do Paraná, a prefeitura de Guarapuava voltou a recomendar o uso de máscaras em ambientes de alto risco de transmissão da covid-19

Além do transporte público da cidade, na região central do Estado, a medida de prevenção contra o coronavírus é recomendado em escolas e universidades. Vale lembrar que pessoas com sintomas respiratórios e ambientes de atendimento de saúde, como UBSs, hospitais e laboratórios, a máscara segue obrigatória. 

Por meio da Secretaria da Saúde, a decisão foi tomada levando em conta o aumento no número de infecções e da procura por atendimento relacionado a síndromes respiratórias nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) e nas Unidades de Pronto Atendimento (UPA).

De acordo com os dados da prefeitura, Guarapuava tem aproximadamente 68% da população com cobertura vacinal contra a covid.

AUMENTO DE CASOS DE COVID É REGISTRADO EM GUARAPUAVA

A Secretaria de Saúde registrou crescimento do número de casos de coronavírus nas quatro últimas semanas.

Desde a semana epidemiológica 16, compreendida entre os dias 17/4 a 23/04, o município tem registrado em média 400 casos por semana, durante as últimas quatro semanas. 

CIDADES DO PARANÁ VOLTAM A RECOMENDAR USO DE MÁSCARAS

Curitiba adotou a recomendação no dia 20 de maio. Municípios da região metropolitana da capital, como São José dos Pinhais, Araucária, Pinhais e Campo Largo também tomaram a mesma atitude.

No interior, Londrina, Ponta Grossa e Maringá também divulgaram a medida para evitar a transmissão da covid-19.

Segundo os dados da Sesa (Secretaria de Estado da Saúde), o Paraná totaliza 539.349 casos confirmados e 43.163 mortes pelo coronavírus.

Neste momento, são  212 pacientes com diagnóstico confirmado ou com suspeita de covid internados. Destes, 63 estão em UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e 149 em enfermaria.