Guaratuba decreta estado de calamidade pública por crise do ferry-boat

O prefeito de Guaratuba, Roberto Justus (DEM), publicou um decreto nesta terça-feira (11) que determina estado de calami..

Redação - 11 de janeiro de 2022, 16:45

(Geraldo Bubniak/AGB)
(Geraldo Bubniak/AGB)

O prefeito de Guaratuba, Roberto Justus (DEM), publicou um decreto nesta terça-feira (11) que determina estado de calamidade pública por causa dos problemas recorrentes com o ferry-boat.

Desde que a concessão foi assumida pela BR Travessias, em maio do ano passado, problemas recorrentes têm sido relatados na travessia da Baía de Guaratuba pelas balsas. O DER-PR acompanha a situação.

O prefeito Roberto Justus já havia decretado estado de calamidade pública em julho de 2021 após o registro de balsas à deriva.

Na ocasião, além dos frequentes atrasos e filas reclamados pelos usuários, segundo a Prefeitura de Guaratuba, a BR Travessias também não tem garantido a segurança da travessia, com casos de encalhe e de balsas fora do rumo.

Agora, o problema principal são as longas filas para a travessia do ferry-boat, que entre dezembro e janeiro superou as quatro horas em alguns momentos do dia.

O decreto de calamidade pública concede à Prefeitura de Guaratuba o direito de atuar de forma ativa na resolução ou minimização dos problemas.

"Autoriza-se a mobilização de todos os órgãos municipais para atuarem sob a coordenação conjunta da Secretaria Municipal do Urbanismo, Secretaria Municipal da Segurança Pública e da Coordenadoria da Defesa Civil do Município, nas ações de resposta ao iminente risco de desastre em razão do colapso do sistema de transporte aquaviário", diz trecho do decreto.

Em um vídeo publicado nas redes sociais, Robert Justus afirma que a situação é insustentável. Segundo ele, o decreto é válido por 30 dias, mas o objetivo é que se discuta o encerramento do contrato com a BR Travessias.

“Não dá mais, a empresa não tem condições de prestar esse serviço”, justificou.

Segundo o prefeito, a decisão sobre a manutenção ou rescisão do contrato cabe exclusivamente ao Governo do Paraná, por meio do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), que é o responsável pelo projeto de concessão do serviço de ferry-boat em Guaratuba.

Procurada pela reportagem, a BR Travessias informou que "vem realizando todos os investimentos necessários para sanar deficiências e atender às determinações contratuais".

A concessionária ainda pontua que "desde abril, até o final de dezembro de 2021, foram investidos cerca de 8 milhões em equipamentos e estruturas".

A BR Travessias também reforça que "os três ferrys de propriedade do DER, sob responsabilidade da BR Travessias foram reformados. Tiveram praticamente toda a parte mecânica e elétrica trocadas".

As reformas citadas pela concessionária compreendem novos motores e pintura superficial para conter a ferrugem presente em toda parte, assim como reformas nas pontes de acesso aos flutuantes e nas instalações elétricas e hidráulicas do edifício administrativo da BR Travessias.

"A empresa reafirma seu empenho e a realização de investimentos permanentes no sentido de recuperar equipamentos, estruturas e oferecer um serviço de excelência que o usuário merece, o que, reconhece, ainda não alcançou, assim como de cumprir todas as determinações contratuais, nos prazos estabelecidos", finalizou a concessionária em nota.