Homem que matou jovem em briga de trânsito vai a júri popular

Caso que chocou o estado ocorreu no fim do mês de março após uma discussão por uma "fechada" no trânsito, e foi registrado por câmeras de segurança.

Redação - Tarobá News - 12 de maio de 2022, 07:44

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O homem acusado de matar Ailson Augusto Ortiz a tiros após uma briga de trânsito, em Cascavel, na região Oeste do Paraná, vai a júri popular. A decisão foi confirmada pela Justiça durante audiência de instrução nesta quarta-feira (11).

O julgamento deve acontecer no dia 28 de junho, conforme o Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR). Elias da Silva Pires responderá por homicídio duplamente qualificado e porte ilegal de arma.

O caso ocorreu no fim do mês de março na Rua Cuiabá, no bairro Neva. A vítima, de 21 anos, estava em uma motocicleta e teria se envolvido em uma discussão com o autor dos disparos, que dirigia um Renault Fluence, após uma "fechada".

Câmeras de monitoramento flagraram o crime e auxiliaram o trabalho de investigação da Polícia Civil. As imagens mostram que os motoristas pararam os veículos e passaram a se agredir. Em determinado momento, o condutor do carro sacou uma arma e efetuou vários disparos contra o rapaz.

Ailson Augusto Ortiz foi atingido por três tiros e morreu no local. Foto: Reprodução

Ailson foi atingido por três tiros, um deles na região do tórax. Após ser alvejado, o jovem caiu na calçada. Socorristas do Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência (Siate) chegaram a ser acionados para o atendimento, mas o jovem não resistiu aos ferimentos e morreu no local.

FAMILIARES REALIZAM ATO E PEDEM JUSTIÇA

Familiares e amigos de Ailson Augusto Ortiz, morto a tiros após uma briga de trânsito, em março, realizaram uma manifestação nesta quarta-feira (11) em frente ao Fórum de Justiça de Cascavel, antes da audiência que determinou que o autor dos disparos, Elias da Silva Pires, irá a júri popular.

Foto: Reprodução/Tarobá News

Com camisetas e faixas, eles pediram justiça por Ailson.

Na mesma audiência foi retirada a qualificadora de Perigo Comum, que entendia que Elias causou risco ao efetuar disparos de arma de fogo em uma via movimentada em horário de pico.

O acusado está preso preventivamente e participou da audiência por videoconferência.

Com informações da Tarobá News.