Homem é preso por despejar lixo em área de preservação ambiental do litoral do Paraná

Redação

lixo, poluição, área de preservação ambiental, natureza, meio ambiente, preservação, pcpr, polícia, polícia civil, paraná, matinhos, balneário flórida, homem, preso, prisão

Um homem de 25 anos foi preso em flagrante no momento em que descarregava um caminhão com lixo e entulho em área de preservação ambiental. A prisão foi realizada pela PCPR (Polícia Civil do Paraná), nesta quarta-feira (15), em Matinhos, no litoral.

Um helicóptero e um drone foram usados para fazer o monitoramento aéreo do local. A área de preservação onde o homem queria descarregar o lixo é no Balneário Flórida.

Moradores da região do Rio Canal 1 denunciaram que um caminhão estaria descarregando lixo em área de preservação ambiental. Conforme a PCPR, os agentes foram até o local e encontraram o veículo despejando materiais plásticos, lixo doméstico, entulho, madeira velha, partes de móveis, colchão e até um sofá.

Ao ser questionado, o condutor do caminhão respondeu que havia sido contratado para o despejo da carga de entulhos por uma empresa que recolheria lixo no município de Matinhos. De acordo com a Polícia Civil do Paraná, um inquérito será aberto para apurar a situação relatada.

Preso em flagrante no litoral, o homem pagou a fiança estipulada e responderá em liberdade.

LIXO EM LOCAL IRREGULAR É CRIME

Conforme apurado, não era a primeira vez que lixo era despejado na área de preservação. Inclusive, há indícios de que entulho antigo está enterrado no local.

De acordo com a delegada Sandra Nepomuceno, o aumento da devastação e poluição do rio poderia trazer danos à sociedade de Matinhos.

“No local havia acúmulo de água, podendo gerar a proliferação do mosquitos da dengue. Apesar de ser uma área de preservação de mata atlântica, a poucos metros existe um loteamento com casas habitadas. Os moradores poderiam ser facilmente contaminados por doenças”, disse.

O homem que jogava lixo em local impróprio foi autuado por causar poluição com potenciais danos à saúde humana, animal ou ambiental. Se condenado, ele pode ser penalizado com até quatro anos de prisão.

Previous ArticleNext Article