Hospital da região metropolitana estuda novo medicamento contra a covid-19

Redação

Molécula é considerada promissora para diminuir danos causados pela doença nos õrgãos
Covid-19 medicamento estudo hospital região metropolitana

O Hospital Angelina Caron (HAC), em Campina Grande do Sul, Região Metropolitana de Curitiba, realiza um estudo com novo medicamento para tratar pacientes com Covid-19. Trata-se de uma molécula promissora com propriedades anti-inflamatórias que atua na chamada ‘tempestade de citocinas’, que é responsável pela piora clínica e internação dos pacientes.

“Com a inibição destes efeitos, espera-se que seja capaz de diminuir os danos causados pelo coronavírus nos mais diversos órgãos e sistemas do organismo. É um novo medicamento anti-inflamatório já estudados em outras doenças inflamatórias”, explica o médico Dalton Precoma, coordenador do Departamento de Ensino e Pesquisa do HAC e chefe do Setor de Cardiologia. Ele ressalta que esse medicamento não é um antirretroviral como o Tamiflu (usado contra a gripe H1N1).

Para participar do estudo, os critérios de seleção incluem a confirmação da Covid-19, estar em uso de oxigênio e ter alguma comorbidade grave associada, como diabetes, hipertensão, idosos acima de 65 anos, obesidade mórbida ou doença pulmonar crônica. “O paciente é selecionado aleatoriamente para o estudo entre aqueles que têm esse perfil desejado, processo este chamado de randomização”, explica médico.

 

Além de medicamento para a covid-19, centro estuda tratamentos em cardiologia

O Departamento de Ensino e Pesquisa Clínica (DEP) do HAC é  o centro que lidera no número de pacientes no estudo no Brasil, com igual número do que os Estados Unidos, que também iniciou o estudo recentemente. “Temos mais três estudos relacionados ao tratamento de Covid-19 em fase final de implementação, todos com moléculas novas e promissoras em fase três de testes – que é quando a droga ou medicamento já foi testado e está em aplicação clínica”, antecipa Precoma.

O departamento atua há mais de 18 anos na pesquisa clínica em cardiologia. É responsável direto e indireto pela implementação e segurança de tratamentos nesta área. O DEP conta com o apoio do Fundo Municipal da Pessoa Idosa (FMDPI) de Campina Grande do Sul para viabilizar muitas das suas iniciativas e pesquisas.

 

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="788246" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]