Huçulak diz que profissionais de Curitiba indicaram a não vacinação de crianças

A secretária da Saúde, Márcia Huçulak, participou da audiência de prestação de contas na Câmara Municipal de Curitiba e falou sobre a vacinação infantil.

Redação - 22 de fevereiro de 2022, 21:27

(Foto: Rodrigo Fonseca/CMC)
(Foto: Rodrigo Fonseca/CMC)

A secretária de Saúde de Curitiba, Márcia Huçulak, disse hoje (22) que a ideologia contra a vacina afetou a vacinação das crianças contra a covid-19 na capital paranaense. De acordo com os dados da SMS (Secretaria Municipal da Saúde), 56% das crianças de 5 a 9 anos de idade tomaram a primeira dose da vacina em Curitiba, ante 74% dos jovens de 10 a 14 anos e 81% dos com 15 a 19 anos de idade. 

"A gente poderia ter vacinado mais crianças. O movimento antivacina é conhecido e temos trabalhado com toda a nossa equipe incentivando e recomendando. Eventualmente identificamos profissionais na nossa rede que estavam contraindicando. Estamos encaminhando esses dois profissionais para o Conselho Regional de Medicina tomar medidas em relação à conduta", disse ela na Câmara Municipal de Curitiba. 

Além disso, ela ainda lamentou a 'fala de lideranças nacionais' que colocam em dúvida a vacina.

"Eu chego à conclusão que a geração de pais não viveu e não sofreu com as doenças que nós, uma geração anterior, vimos. Meningite, sarampo... Essa geração não teve essa experiência. Essa geração não viu, e talvez por isso renegue a ciência", analisou.

Huçulak ainda ressaltou que as férias escolares também foram prejudiciais para isso, já que a vacinação infantil começou em janeiro. 

"É um mês que caracteristicamente as crianças estão de férias escolares e as famílias deixam na casa da avó em um sítio, ou levam na praia. A gente entende que as crianças não estavam muito pela cidade nesse momento inicial", completou. 

HUÇULAK DESCARTA VACINA NAS ESCOLAS

Um ponto levantado com os vereadores foi realizar a vacinação das crianças nas escolas. De acordo com Márcia Huçulak, o tema foi debatido e descartado pelo Comitê da Secretaria Municipal da Saúde.

"A gente preza pela rede de frio [para a manutenção da qualidade das vacinas] . São dias quentes e as geladeiras que temos nas nossas unidades são geladeiras preparadas e adquiridas para uso exclusivo de vacinas, diferente do lugar que a gente vai e tem margarina, leite, fruta e marmita das pessoas", argumentou.

VACINAÇÃO CONTRA A COVID-19 EM CURITIBA

População total de Curitiba (estimada em 1.948.626 habitantes) - 86,6% tomou a primeira dose e 77,9% tomou segunda dose (ou dose única).