Caso Renata Muggiati: interrogado pela 1ª vez, médico diz que fisiculturista se suicidou

Thaissa Martiniuk - Bandnews FM Curitiba e Angelo Sfair

Raphael Suss Marques Renata Muggiati

O médico Raphael Suss Marques, acusado de matar a namorada e fisiculturista Renata Muggiati, em 2015, foi interrogado nesta quinta-feira (15) e reafirmou a tese de suicídio. Foi o primeiro depoimento do réu à Justiça. Segundo a defesa, ele respondeu a todos os questionamentos.

O depoimento foi realizado no Juizado de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher de Curitiba. A audiência começou às 14h30 e durou cerca de uma hora.

Suss Marques, que foi preso novamente em fevereiro deste ano, responde por lesão corporal, fraude processual e homicídio qualificado.

O advogado Edson Vieira Abdala, que representa o réu, disse que todas as dúvidas processuais foram esclarecidas durante a audiência e nega que o médico tenha cometido o crime.

“A instrução processual está dissipando todas as dúvidas em relação ao caso. E essa dissipação destas dúvidas vem ao encontro da tese da defesa que é a negativa de autoria”, defendeu o criminalista.

De acordo com o advogado, após a audiência, a juíza do caso ainda solicitou a produção de outras provas, entre elas, uma nova perícia que deve esclarecer divergências entre dois exames de necropsia sobre a causa da morte da atleta.

“Ainda há a possibilidade de requerimento sobre acareações, sobre dúvidas processuais, sobre novas provas periciais, e inclusive a juíza poderá determinar uma nova prova. Nós temos duas provas oficiais que indicam caminhos opostos”, aponta Abdala. “Então o Código de Processo Penal prevê a possibilidade de que a juíza determine uma terceira perícia, feita por um perito de sua confiança, independentemente de segurança ou vínculo com o IML”, completa.

O MPPR (Ministério Público do Paraná) e a assistência da acusação reforçam a tese de que Suss Marques asfixiou a vítima e jogou o corpo pela janela do apartamento para simular um acidente. A Justiça, depois de ouvir o réu, agora aguarda até a semana que vem as alegações finais de defesa e acusação. Depois disso será decidido se Raphael Suss Marques vai, ou não, a júri popular.

O CASO

Foto: Reprodução

Renata Muggiati morreu na noite de 12 de setembro de 2015. A suspeita é de que ela tenha sido asfixiada e atirada da janela do 31º andar pelo namorado. Fotos e mensagens enviadas por celular, anexadas ao processo, reforçam a tese de que ela era vítima constante de agressões.

Raphael Suss Marques foi preso em setembro e, novamente, em janeiro de 2016. Acabou solto após seis dias por meio de um habeas corpus. Ele respondia ao processo em liberdade com o uso de tornozeleira eletrônica até ser preso em fevereiro deste ano por descumprir medidas cautelares.

Suss Marques nega o crime e alega que Renata se suicidou.

Foram realizados, ao todo, três exames no corpo de Renata – dois deles apontaram que ela teria sido asfixiada antes de cair pela janela. O último exame, feito após a exumação do corpo, concluiu que a atleta foi morta antes da queda.

Previous ArticleNext Article