Júri condena homem acusado de matar a ex-esposa a 27 anos de prisão

Mesmo com uma medida protetiva que o impedia de se aproximar da vítima, com quem mateve um relacionamento de 17 anos, homem foi ao trabalho da ex-esposa e fez vários disparos de arma de fogo.

Redação - 05 de maio de 2022, 18:07

Marcos Santos/USP
Marcos Santos/USP

O Tribunal do Júri de Guaíra, no oeste do Paraná, condenou a 27 anos de prisão um homem denunciado por homicídio quadruplamente qualificado contra a ex-esposa. Entre as qualificadoras apontadas pelo Ministério Público estava o feminicídio.

O júri acolheu integralmente as acusações do Promotoria. Além disso, a pena foi agravada porque contra o réu havia uma medida protetiva que, em tese, o impediria de se aproximar da vítima. O ex-casal havia mantido relacionamento por 17 anos e estava separado.

De acordo com a acusação, o crime aconteceu no dia 1° de abril de 2021. Pouco antes do assassinato, o homem havia comparecido ao Fórum, quando foi notificado da medida protetiva que o impedia de se aproximar a uma distância de 300 metros. Ele também não podia manter contato com a vítima por qualquer meio.

A denúncia narra que, mesmo ciente da proibição, o réu foi até o trabalho da ex-companheira e realizou diversos disparados de arma de fogo contra ela. O homem, agora condenado, está preso desde a época do crime. A prisão preventiva foi mantida e o homem não poderá recorrer da sentença em liberdade.

 Mesmo ciente da proibição, o denunciado foi ao local de trabalho da vítima (sua ex-companheira, com a qual tinha vivido por 17 anos e da qual estava separado), desferindo contra ela diversos disparos de arma de fogo.Preso desde a época do crime, o réu teve a prisão mantida e não poderá recorrer da sentença em liberdade.