Júri de Manvailer é adiado para janeiro após defesa testar positivo para covid

Angelo Sfair

caso tatiane spitzer, tatiane spitzer, luis felipe manvailer, júri popular, data, tribunal do júri, 1ª vara criminal, guarapuava, paraná, guarapuava, defesa, acusação, júri popular, coronavírus, covid-19

O diagnóstico positivo para covid-19 de um dos advogado que atuam no Caso Tatiane Spitzer levou a Justiça a adiar o júri popular do biólogo Luis Felipe Manvailer.

O júri popular estava marcado para os dias 3 e 4 de dezembro, na comarca de Guarapuava, no centro-sul do Paraná. O caso será retomado no dia 25 de janeiro de 2021, às 9h.

O pedido de adiamento partiu da defesa de Manvailer, após confirmação de que um dos integrantes da equipe está com coronavírus. Devido às circunstâncias, os advogados da família Spitzner consentiram.

“Em obediência ao princípio da precaução, […] em razão do risco incerto, mas provável, é necessário que se adote medida preventiva que, no caso, consiste em adiar o julgamento”, decidiu o juiz Adriano Scussiatto Eyng.

Diante do adiamento, o juiz do Tribunal do Júri de Guarapuava decidiu manter a prisão preventiva do réu, uma vez que os princípios que justificavam a medida não foram alterados.

Luis Felipe Manvailer é acusado por homicídio qualificado (feminicídio) e fraude processual. Tatiane Spitzner foi encontrada morta em julho de 2018 no apartamento onde morava com o réu.

CASO TATIANE SPITZNER

De acordo com a denúncia do Ministério Público, Luis Felipe matou a advogada após diversas agressões físicas que teriam iniciado após um desentendimento ocorrido em virtude de mensagens em redes sociais, agindo por motivo fútil e desproporcional.

O réu foi interrogado em março, mas optou por permanecer em silêncio. Em breve manifestação à Justiça, negou que tenha matado a esposa e afirmou que a família da advogada influenciou testemunhas.

O crime

Tatiane foi encontrada morta no apartamento em que morava com Manvailer no dia 22 de julho de 2018.

Um vídeo mostra ela sendo agredida antes de entrar no prédio, no estacionamento, no elevador, e a queda do 4º andar. Depois, o suspeito busca o corpo, leva ao apartamento, limpa os vestígios de sangue no corredor e elevador e foge do local por uma saída alternativa do estacionamento.

Confira imagens da noite:

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="732045" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]