Justiça suspende guarda do casal que agrediu filho adotivo

Francielly Azevedo

menino criança filho adotivo

O juiz Maurício Cleber Miglioranzi Santos, do Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul, suspendeu a guarda do casal que agrediu o filho adotivo, de 9 anos, em Londrina, na região norte do Paraná. O menino foi adotado na cidade sul-mato-grossense de Corumbá e trazido pelos pais adotivos ao Paraná.

O casal, de 23 e 29 anos, foi preso em flagrante na noite do último domingo (8), depois que a criança foi levada por eles ao Hospital Evangélico de Londrina. O menino foi internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) com graves hematomas pelo corpo. Ele segue em tratamento.

A decisão emergencial aconteceu após um procedimento ser aberto pela Corregedoria do TJ/MS, na última quarta-feira (11), para apurar o ocorrido e reversão do processo de adoção. O cadastro de adotantes do casal foi feito no Paraná, mas a adoção tramitou na Vara Cível de Corumbá.

PAIS ADMITEM AS LESÕES

Em depoimento, o casal admitiu as agressões e justificou que foram feitas para disciplinar o menino, “que estava fazendo birra” e havia mordido a mãe adotiva.

A delegada Lívia Pini, do Nucria (Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crime) de Londrina, disse, em entrevista coletiva, que as marcas pelo corpo da criança mostram a “evidente inaptidão desses pais para continuar com a guarda”.

Segundo a Polícia Civil, o inquérito deve ser finalizado em até 20 dias. A delegada aguarda o envio de laudos médicos e autorização do hospital e da Justiça para conversar com a criança.

Previous ArticleNext Article
Avatar
Jornalista, formada pela Universidade Tuiuti do Paraná. Tem passagens pela TV Educativa, TV Assembleia, TV Transamérica, CATVE, Rádio Iguassu e Folha de Londrina. Atualmente trabalha no Paraná Portal e na Rádio CBN.