Líder espiritual é preso suspeito de abusar sexualmente de vítimas com promessa de cura, em Maringá

Um mestre de capoeira e líder espiritual foi preso suspeito de abusar sexualmente de vítimas com a promessa de cura, em ..

Leonardo Gomes - BandNews FM Curitiba - 01 de dezembro de 2021, 13:44

Um mestre de capoeira e líder espiritual foi preso suspeito de abusar sexualmente de vítimas com a promessa de cura, em Maringá, na região norte do estado. A prisão ocorreu nesta terça-feira (30), de acordo com a Polícia Civil.

Sete mulheres, entre elas uma adolescente, foram ouvidas pela polícia e relataram que o homem oferecia tratamentos através de relações sexuais, alegando que era preciso “trocar energia”. A informação é da Band News Curitiba.

Em entrevista à TV Band, o delegado Rodolfo Vieira contou que o capoeirista se aproveitava da vulnerabilidade das vítimas, seja por idade, classe social ou por dificuldade momentânea.

"Ele falava que a única forma de superar isso seria mediante a submissão e conjunção carnal com ele, de maneira desprotegida. Ele se intitulava como 'Mestre de Ventre' e afirmava que iria curar as vítimas. Temos vítimas em que o ato foi consumado mais de uma vez, segundo o relato, e vítimas que se assustaram e tiveram um medo tão grande de represálias que saíram da cidade", explicou o delegado.

Conforme a polícia, os abusos ocorriam durante rituais, que duravam horas, em salas reservadas, nos fundos da casa do líder espiritual. O delegado conta que existem indícios que o suspeito tenha um histórico de crimes sexuais.

"Esse indivíduo já atua profissionalmente em Maringá há mais de 30 anos. Uma das vítimas que foi identificada, o fato aconteceu 15 anos atrás. Então, infelizmente existe a possibilidade de outras vítimas. Eu peço que elas procurem a Delegacia da Mulher, vão até lá ou liguem, e deem o seu relato. O atendimento é sigiloso. É importante trazer esses fato para que corroborem ainda mais com as investigações e a gente consiga identificar outros crimes praticados", finaliza o delegado.

Em depoimento à polícia, o homem negou os crimes. Ele foi preso preventivamente e deve responder por violação sexual mediante fraude, importunação sexual e assédio sexual.