Lockdown: Ministério Público pede restrição total em Cascavel

Redação

Prefeitura de Cascavel questiona decreto estadual e irá recorrer da decisão

A Promotoria de Cascavel, na região oeste do Paraná, entrou na Justiça com um pedido de lockdown – restrição total de serviços não essenciais. A prefeitura tem prazo de 24 horas para se manifestar.

Conforme a ação civil pública, com pedido de liminar, as restrições tem objetivo de “diminuir a velocidade de contágio do coronavírs, em razão da aceleração de casos”.

A presença de clusters industriais e frigoríficos é apontada como uma das razões par que as regiões oeste e noroeste registrem as maiores incidências de Covid-19 no Paraná.

A regional de Cascavel tem a segunda maior taxa do estado, com incidência de 241 casos para cada 100 mil habitantes.

Além disso, a taxa de ocupação de leitos de UTI exclusivos para Covid-19 na região oeste é a maior entre as quatro macrorregionais. De acordo com o informe epidemiológico atualizado nesta segunda-feira (15), o  índice é de 71%, ante 65% na região leste, 35% no norte e 29% no noroeste.

Para o Ministério Público, as medidas restritivas impostas pela Prefeitura de Cascavel não foram suficientes para barrar o avanço do contágio do coronavírus no município.

Em relação ao toque de recolher determinado das 20h às 6h, a Promotoria destaca que a medida precisa ser acompanhada de outras providências rigorosas, como propõe o lockdown.

Conforme o MP, “o Executivo Municipal […] adota medidas excessivamente brandas e, inefetivas à situação atual”.

Nesta segunda-feira (15), a Vara da Fazenda Pública de Cascavel deu prazo de 24 horas para que a prefeitura se manifeste sobre o pedido. Depois disso, a juíza poderá decidir se acata, ou não, o pedido de lockdown.

Previous ArticleNext Article