Mais de 50% dos profissionais de saúde não foram tomar a vacina em Curitiba

Vinicius Cordeiro

vacina covid-19 curitiba

A SMS (Secretaria Municipal da Saúde) informou que mais de 50% dos profissionais de saúde convocados para receber a primeira dose da vacina contra a covid-19 ontem (27) não compareceram. A primeira etapa da vacinação contra o coronavírus em Curitiba está sendo concentrada no pavilhão do Parque Barigui.

“Foi identificado alto índice de absenteísmo (ausência dos convocados)”, apontou a Secretaria em nota divulgada nesta quinta-feira (28).

A abstenção pode ser um dos motivos da fila registrada no local da vacinação nesta quinta-feira (28). O deputado Goura Nataraj (PDT) publicou registros da espera pela vacina.

A SMS ressalta que o pavilhão não está aberto para a procura direta. É necessário fazer o cadastro no aplicativo Saúde Já e aguardar o agendamento pelo sistema.

Além disso, a pasta informou que fez contato com alguns hospitais da cidade e orientou o encaminhamento escalonado de suas equipes para agilizar o processo. Por enquanto, apenas os profissionais que foram avisados para se deslocar ao centro de vacinação, seguindo os horários indicados, receberão a vacina.

Conforme o plano municipal de imunização, os grupos prioritários são:

  • moradores, funcionários e cuidadores das 127 instituições de longa permanência;
  • 93 indígenas da aldeia Kakané Porã, na Regional Tatuquara;
  • profissionais de saúde e limpeza que atuam na linha de frente do combate à covid-19;

O último boletim da vacinação afirma que mais de 10 mil pessoas já receberam a primeira dose da vacina. No total, Curitiba recebeu mais de 40 mil doses: 23.160 da CoronaVac e  20.380 vacinas de Oxford/AstraZeneca.

A capital paranaense totaliza 26.493 casos e 2.585 mortes por covid-19. Atualmente a taxa de ocupação das UTIs é de 85%. Mesmo com o índice, a prefeitura retomou a bandeira amarela e liberou o funcionamento de alguns setores.

MP-PR PEDIU PARA QUE CURITIBA DESCENTRALIZASSE CAMPANHA DE VACINAÇÃO 

Em ofício conjunto, órgãos de Justiça e Controle fizeram uma série de recomendações para a Sesa (Secretaria de Estado da Saúde) e para a SMS (Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba) em relação à campanha de vacinação contra a covid-19, iniciada no último dia 20 de janeiro.

Eles se posicionaram contra a campanha de vacinação centralizada em Curitiba no pavilhão de eventos do Parque Barigui. Conforme os órgãos fiscalizadores, por mais estruturado que seja o local, a escolha de um único lugar para aplicação da vacina pode ocasionar aglomerações indevidas.

Além disso, a centralização pode dificultar o comparecimento de diversas pessoas porque muitos moram ou trabalham em lugares distantes do Parque Barigui. Os órgãos também argumentam que a vacinação poderia ser melhor distribuída, ao menos em favor de outras regiões de Curitiba.

As medidas foram assinadas pelo MPF (Ministério Púbico Federal), MPPR (Ministério Público do Paraná), MPT (Ministério Público do Trabalho), pela DPU (Defensoria Pública da União) e pela DPE (Defensoria Pública do Estado). A prefeitura de Curitiba afirmou que iria se pronunciar no prazo determinado.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="742091" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]