Maníaco da Torre é condenado a 21 anos de prisão

Roneys Fon Firmino Gomes, 43 anos, conhecido como Maníaco da Torre, foi condenado ontem a 21 anos e 4 meses pelo assassi..

Neto Dey Hoyo - Metro Maringá - 15 de março de 2019, 07:21

Foto: PC
Foto: PC

Roneys Fon Firmino Gomes, 43 anos, conhecido como Maníaco da Torre, foi condenado ontem a 21 anos e 4 meses pelo assassinato de Edinalva José da Paz, morta por estrangulamento em 2010, quando tinha 19 anos. O corpo foi encontrado em uma plantação de soja, perto de uma torre de alta tensão e teria sido o primeiro assassinato cometido por Roneys. Ele é acusado de matar ao menos 13 mulheres, sendo que confessou, quando foi preso em 2015, ter tirado a vida de pelo menos cinco.

Preso preventivamente há 4 anos pela morte de Mara Josiane dos Santos, que foi sua última vítima, ele sentou ontem pela primeira vez no banco dos réus num julgamento com quase 12 horas de duração. A pena base pelo assassinato foi de 16 anos, sendo somados mais 4 por agravantes e 1 ano e 4 meses pela ocultação de cadáver.

A defesa disse que vai recorrer. “A prova era fraca, pobre. Foi um show de imagens”, argumentou o advogado Willian Francys.

A acusação saiu satisfeita. “Não há o que comemorar, mas estamos satisfeitos pela aplicação da justiça”, disse o promotor Júlio César da Silva. Ainda não há previsão de quando os outros crimes irão à júri popular.

Presente no Fórum, a mãe de Edinalva chorou após a sentença. “Vinte anos foi muito pouco. Ninguém traz minha filha de volta. Mas Deus vai fazer a justiça”, declarou Conceição de Lino.

Multidão Marcado para começar 8h, o júri do Maníaco da Torre começou duas horas depois. Cerca de 250 pessoas, a maioria estudantes de direito, acompanharam os depoimentos de testemunhas e do réu pela manhã, quando a fila de espera dobrou a esquina.

Roneys chegou ao Fórum sob forte escolta. Ao todo, nove policiais faziam a segurança do réu. Para seu primeiro julgamento, apareceu mais magro do que quando foi preso e, ao invés do macacão laranja usado pelos detentos, vestia calça e camisa jeans e sapato de bico fino. O que não deixou o figurino foram as algemas.

OUTRAS CINCO

Ao ser preso em 2015, Roneys confessou à Polícia Civil ter matado 5 mulheres. Os 5 assassinatos confessados foram:

  • Março/2012. Sem identificação
  • Maio/2012. Silmara Aparecida de Melo, 33 anos
  • Agosto/2013. Sem identificação
  • Março/2015. Ariele Natalia da Silva, 24 anos
  • Dezembro/2015. Mara Josiane dos Santos, 36 anos

RÉU MUDOU DISCURSO E SE IRRITOU COM A IMPRENSA

O Maníaco da Torre voltou atrás de seu depoimento em 2015 e negou ser um assassino. Na época, ele disse à Polícia Civil e em entrevista a um jornalista, que era responsável pela morte de ao menos 5 garotas de programa. No caso de Edinalva ele afirmou que não se lembrava, mas que as características eram iguais aos crimes que ele foi autor.

Ao júri, o réu afirmou ontem que foi “torturado” por policiais e que assinou a confissão sem sequer saber ler. “Eles me deram para assinar (as confissões). Nem sei ler”, argumentou dizendo que só

responderia sobre o caso de Edinalva.

Quando a imprensa passou a registrar suas imagens, o Maníaco da Torre se irritou, gesticulou aos advogados, pediu para deixar o local e foi encaminhado de volta à cadeia.

TESTEMUNHAS

Último cliente

Homem fez um programa com a vítima um dia antes da morte e contou que a conhecia como Bruna. Ele chegou a ser investigado pelo crime, mas não havia provas.

Policial que investigou

Policial que participou da prisão de Roneys, em 2015, relembrou o depoimento do réu na época, de que não tinha certeza de ter matado Edinalva, mas reconhecia as características do crime.

Irmão da vítima

Foi exibido um vídeo de seu depoimento, onde conta que a família, que é de Sarandi, sabia dos programas de Edinalva e que foi ele o último a vê-la com vida.

Amiga do réu na época

Ex-traficante, mulher foi buscada no trabalho pelos oficiais de Justiça e chorou ao falar. Ela teria recebido o celular que era da vítima das mãos de Roneys como pagamento por drogas.