Caso Tatiane Spitzner: Manvailer é inocente e acusação é peça de ficção, diz defesa

A defesa do professor Luís Felipe Manvailer, acusado de agredir e matar a esposa, a advogada Tatiane Spitzner, considera..

Fernando Garcel - 20 de outubro de 2018, 11:13

Câmeras flagraram agressões de Luis Felipe contra a esposa momento antes da morte de Tatiane
Câmeras flagraram agressões de Luis Felipe contra a esposa momento antes da morte de Tatiane

A defesa do professor Luís Felipe Manvailer, acusado de agredir e matar a esposa, a advogada Tatiane Spitzner, considera a acusação do Ministério Público do Paraná (MPPR) uma "peça de ficção". Os advogados apresentaram a defesa nos autos do processo na noite da última quinta-feira (18).

> Justiça aceita alteração na denúncia contra Luis Felipe Manvailer

De acordo com os advogados, a acusação não consegue determinar o que causou a morte de Tatiane Spitzner e diz que, na narrativa da acusação, a vítima teria morrido duas vezes. A primeira por esganadura e a segunda causada pelo politraumatismo, quando caiu do apartamento em que morava.

Em setembro, o MPPR entrou com um pedido de aditamento de acusação para anexar laudos da causa morte de Tatiane e destacar o homicídio qualificado por “intenso sofrimento físico e psíquico na vítima” e as “diversas marcas, equimoses e ferimentos produzidos pelas agressões sofridas ainda em vida”. Segundo a defesa, a tentativa de alterar a denúncia é uma "aleatoriedade". A alteração foi aceita pela Justiça.

Ciente da ilicitude e reprovabilidade de sua conduta, inovou artificiosamente, visando produzir efeito em processo penal ainda não iniciado, o estado de lugar e de coisas, com o fim de induzir a erro o juiz ou o perito, mediante a remoção do corpo da vítima TATIANE SPITZNER do local da queda e limpeza de vestígios de sangue”, diz a denúncia

O advogado da família de Tatiane, Gustavo Scandelari, afirma que todas as provas e laudos até agora, contradizem o que foi dito por Manvailer em depoimento.

“Provas do inquérito, que são os depoimentos, especificamente no perfil mais agressivo do indiciado, destacando que a Tatiane estava tentando o divórcio mas que ele era contra, o laudo constata a marca de esganadura e as marcas do pescoço de Tatiane. As próprias filmagens mostram que ela estava desesperadamente fugir do marido para evitar ser agredida”, diz Scandelari.