Marido acusado de matar Tatiane Spitzner é interrogado nesta quinta-feira

O professor Luis Felipe Manvailer, acusado de matar a esposa Tatiane Spitzner, será interrogado pela Justiça, nesta quin..

Francielly Azevedo - 21 de março de 2019, 06:59

Câmeras flagraram agressões de Luis Felipe contra a esposa momento antes da morte de Tatiane
Câmeras flagraram agressões de Luis Felipe contra a esposa momento antes da morte de Tatiane

O professor Luis Felipe Manvailer, acusado de matar a esposa Tatiane Spitzner, será interrogado pela Justiça, nesta quinta-feira (21), em Guarapuava, na região central do Paraná. A advogada morreu no dia 22 de julho do ano passado.

Será a segunda vez que Manvailer presta esclarecimentos sobre o crime. O réu já falou em uma audiência de custódia em que negou ter assassinado a esposa.

O interrogatório de Manvailer é o último passo para a juíza definir se o réu vai ou não a júri popular.

AUDIÊNCIAS

Até agora, já foram ouvidos familiares do casal e testemunhas. Os depoimentos tiveram início em dezembro. Na primeira audiência de instrução, 13 pessoas foram ouvidas. Entre elas, policiais civis, um auxiliar do Instituto Médico-Legal (IML), amigos, vizinhos do casal e o delegado responsável pelo caso.

Na segunda audiência, 15 pessoas foram convocadas, mas cinco terminaram dispensadas. O pai e a irmã de Tatiane foram ouvidos nesta ocasião. No fim de janeiro, amigos de Manvailer e do irmão dele foram ouvidos por videoconferência.

O CRIME

Tatiane foi encontrada morta no apartamento em que morava com Manvailer no último dia 22 de julho. Imagens mostram ela sendo agredida antes de entrar no prédio, no estacionamento, no elevador, e a queda do 4º andar. Depois, o suspeito busca o corpo, leva ao apartamento, limpa os vestígios de sangue no corredor e elevador e foge do local por uma saída alternativa do estacionamento.

Manvailer está preso na Penitenciária Industrial de Guarapuava. Ele é acusado de matar Tatiane por asfixia e depois jogar o corpo da sacada do apartamento em que o casal morava. Ele é réu em um processo por feminicídio, cárcere privado e fraude processual.

De acordo com a denúncia, Manvailer matou a esposa depois de diversas agressões físicas que teriam iniciado após um desentendimento ocorrido em virtude de mensagens em redes sociais, agindo por motivo fútil e desproporcional.