Fanini é transferido da PF em Curitiba para Brasília por “risco à integridade física”

Lucian Pichetti - CBN Curitiba


O ex-diretor na Secretaria da Educação do Paraná (Seed) durante a gestão Beto Richa, o engenheiro civil Maurício Fanini, foi transferido da carceragem da Polícia Federal (PF) em Curitiba, para a sede da PF em Brasília.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) solicitou a mudança sob a alegação de que, na capital paranaense, havia risco à integridade física de Fanini. Quem acatou o pedido foi o relator do caso no Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Luiz Fux.

O ex-diretor foi preso em setembro do ano passado, no âmbito da Operação Quadro Negro.

Fanini é réu em três ações penais derivadas da Operação, que tramitam de forma sigilosa na 9ª Vara Criminal de Curitiba. Ontem (7), o juiz Fernando Bardelli Silva Fischer determinou que o ex-diretor seja interrogado com urgência na capital federal, já que o processo corre há mais de dois anos sem que a fase de instrução tenha sido encerrada. Os interrogatórios foram retomados nesta semana.

Maurício Fanini negocia delação premiada com a Procuradoria-Geral da República desde o ano passado. Ele é réu por lavagem de dinheiro na Operação Quadro Negro, que investiga o desvio de mais de R$ 20 milhões na construção e reforma de escolas estaduais do Paraná.

Segundo as investigações, o setor que ele chefiava era o responsável por produzir relatórios fraudulentos sobre obras de construção de escolas estaduais.

Nos documentos o grupo afirmava que os trabalhos estavam adiantados, quando na verdade, em muitos casos, mal o projeto tinha saído do papel.

Com isso, a empresa envolvida na fraude, a Construtora Valor, recebia pelos contratos. O dono da empresa fez delação premiada com o Ministério Público Federal (MPF) e afirmou que parte do dinheiro recebido serviu para beneficiar Fanini e abastecer campanhas políticas.

Previous ArticleNext Article