Médico abandonava pacientes para liderar contrabando no Paraná

Andreza Rossini


A Polícia Federal (PF) cumpriu 11 mandados de prisão até o meio dia desta terça-feira (12), no âmbito da Operação Pleura, deflagrada para combater o contrabando de cigarros do Paraguai.

Entre os presos estão líderes do movimento. De acordo com a PF, um médico chegou a abandonar plantões nos hospitais públicos das cidades de Santa Isabel do Ivaí e Santa Cruz de Monte Castelo onde trabalhava, no noroeste do Paraná, para coordenar o contrabando nos rios Paraná e Ivaí. O irmão dele, o advogado e líder da quadrilha, também foi preso.

“Os próprios hospitais informaram sobre os horários do médico e apontam o envolvimento dele com o crime”, afirmou ao Paraná Portal, o delegado responsável pela operação, Alexander Boeing Noronha Dias.

A quadrilha organizava o contrabando em duas células diferentes, uma comandada pelo médico e outra por um grupo familiar. As duas células utilizavam os mesmos olheiros e a mesma logística e por isso foram consideradas pela PF, da mesma associação criminosa. “É impossível precisar, neste momento, a quantidade de pessoas que integram a quadrilha. Chegamos a encontrar entre 20 e 30 pessoas às margens do rio, apenas fazendo o carregamento. Esta fase operação tem como foco os líderes do movimento”, afirmou Dias.

De acordo com a Polícia Federal, até o momento quatro suspeitos estão foragidos.  O grupo chegou a movimentar R$ 1,8 milhão por dia com o contrabando de cigarros, carregando 2.500 caixas da mercadoria em barcos, transportados pelos Rio Paraná ou Ivaí, todos os dias. A estimativa da Polícia Federal é que o grupo sonegava diariamente R$ 4 milhões em impostos, um total de R$ 1,5 bilhão ao ano.

A rota de contrabando era utilizada pelos criminosos desde 2012.

Operação Pleura

95A Polícia Federal (PF) deflagrou, na manhã desta terça-feira (12), a Operação Pleura para combater o contrabando em cidades do norte do Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul. Foram expedidos 38 mandados judiciais, sendo 21 de prisão preventiva e 17 de busca e apreensão. Cem policiais cumprem mandados em Loanda, Querência do Norte e Capanema, no Paraná; em São Paulo, na cidade de Tupã; e em Mato Grosso do Sul, no município de Naviraí.

Segundo a PF, as investigações detectaram o uso “diário” dos rios Paraná e Ivaí, no interior do Paraná, para o escoamento de cargas contrabandeadas de cigarros paraguaios em embarcações que saíam de Salto del Guairá, no Paraguai. “Durante as apurações, constatou-se que dois irmãos residentes em Loanda/PR, um médico e um advogado, eram líderes do esquema criminoso. Além deles, uma família baseada na região também atuava intensamente na atividade ilícita, com diversos integrantes do grupo vinculados aos atos delitivos”, informa a PF.

Previous ArticleNext Article