Ministério da Agricultura de Londrina demite quatro investigados na Carne Fraca

Andreza Rossini


Quatro servidores investigados na Operação Carne Fraca da Polícia Federal foram demitidos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) na regional de Londrina, no norte do Paraná.

A decisão foi divulgada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (19).

Foram demitidos os auditores fiscais Juarez José de Santana e Gérsio Luiz Bonesi e os servidores Luiz Carlos Zanon Junior, Sidiomar de Campos. Todos foram impedidos de retornar ao serviço público federal.

Outro servidor, Luiz Alberto Patzer foi suspenso dos serviços por 90 dias.

Carne Fraca

A Operação Carne Fraca, deflagrada pela Polícia Federal, teve início em 17 de março deste ano e desarticulou um esquema de corrupção envolvendo fiscais agropecuários e donos de frigoríficos nos estados do Paraná, Minas Gerais e Goiás.

Segundo as investigações da PF, os fiscais alvos da operação recebiam propina das empresas para emitir certificados sanitários sem fiscalização efetiva da carne, o que permitia a venda de produtos com prazo de validade vencido.

Logo que a operação foi deflagrada, o Brasil recebeu 374 comunicados oficiais envolvendo demandas de 93 países. O ministério da Agricultura suspendeu as autorizações para a produção e a exportação de todos os estabelecimentos citados na Operação. Ao todo, foram citadas 21 empresas e recolhidas 762 amostras para análise. Dez delas apresentaram problemas mais graves que poderiam afetar a saúde dos consumidores, como a presença, em sete delas, da bactéria Salmonella, em hambúrgueres.

 

Previous ArticleNext Article