Motorista da BMW nega racha e aponta manobra como causa do acidente

Jorge de Sousa

Motorista da BMW nega racha e aponta manobra como causa do acidente

O motorista da BMW que atropelou um trabalhador da Rodonorte na BR-277, em Curitiba, prestou depoimento à Polícia Civil nesta terça-feira (21) e negou que estava participando de um racha.

Segundo a Polícia Civil, Sílvio Eduardo de Alencar se defendeu alegando que ao ser fechado por um veículo, jogou o carro para a esquerda em direção ao canteiro de obras, o que provocou o capotamento do carro e o atropelamento.

Mas segundo o delegado responsável pelas investigações, Edgar Santana, a versão de quatro testemunhas contesta o depoimento do suspeito.

“O interrogatório do acusado está divergente das provas produzidas pela Polícia Civil até o presente momento, principalmente no que diz respeito as provas testemunhais. Elas nos informaram que o veículo BMW e o veículo Volvo estavam em alta velocidade praticando o crime de racha”, apontou o delegado.

Santana ainda reforçou que as investigações estão em fase adiantada e que espera finalizar o inquérito em curto espaço de tempo.

TRABALHADOR FOI LANÇADO APÓS IMPACTO DA BMW

Marcelo Trindade trabalhava como funcionário terceirizado da Rodonorte e tinha 48 anos de idade. Trindade estava limpando o canteiro da BR-277 quando a BMW o acertou e arremessou o profissional no outro lado da rodovia.

Já Sílvio Eduardo de Alencar ficou internado com ferimentos leves no Hospital Evangélico Mackenzie em Curitiba, tendo sido liberado no início desta semana.

Segundo testemunhas, Alencar estava disputando um racha na BMW contra um motorista (ainda não identificado) em um Volvo.

Esse veículo Volvo é o mesmo apontado pelo motorista da BMW como causador da fechada, que motivou a manobra em direção ao canteiro.

Previous ArticleNext Article