MPF denuncia 36 pessoas por desvios de R$ 7,3 milhões da UFPR

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou 36 pessoas por lavagem de dinheiro, associação criminosa e peculato, no âmb..

Fernando Garcel - 22 de março de 2017, 13:34

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou 36 pessoas por lavagem de dinheiro, associação criminosa e peculato, no âmbito da Operação Research. Eles são acusados de desviar R$ 7,3 milhões dos cofres da Universidade Federal do Paraná, com 234 pagamentos fraudulentos entre março de 2013 e outubro de 2016.

De acordo com a denúncia, o esquema tinha quatro líderes: duas servidoras da Pró-Reitoria de Pós Graduação e Pesquisa da UFPR, uma servidora aposentada e a filha dela. Elas são acusadas de usarem contas de terceiros para desviar dinheiro de bolsas de pesquisa da Universidade. Os valores caíam na conta dos “laranjas” e depois eram repassados para as líderes do esquema, que seriam as verdadeiras destinatárias finais do dinheiro, segundo o delegado da Polícia Federal, Felipe Hayashi.

"Nós detectamos após a deflagração da primeira etapa, três núcleos familiares agindo no sentido de cooptar pessoas que seriam falsos bolsistas. Na sequencia essas famílias eram as destinatárias finais dos recursos públicos desviados da Universidade Federal do Paraná", disse Hayashi.

O MPF identificou 27 pessoas que recebiam os valores das bolsas sem ter vínculos com a UFPR, ou seja, não eram professor, aluno ou servidor e também não realizavam pesquisas acadêmicas. Todos tinham ligações com as líderes do esquema, e apesar de não ficarem com parte do dinheiro, também foram denunciados. Isso porque, segundo o delegado Felipe Hayashi, eles sabiam que estavam emprestando as contas bancárias para um esquema ilícito. Por isso, os investigadores falam em “laranjas conscientes.

Na denúncia, o MPF também pede a reparação dos danos causados à Universidade no valor mínimo de R$ 7,3 milhões. A Justiça ainda precisa acolher a denúncia para que os 36 investigados se tornem réus. O juiz responsável pelo caso é o mesmo da operação Carne Fraca: Marcos Josegrei da Silva, da 14ª Vara Federal de Curitiba.