Mutirão Carcerário pretende reduzir superlotação na “prisão da Lava Jato”

Francielly Azevedo


Um mutirão carcerário, organizado pelo TJ-PR (Tribunal de Justiça do Paraná), pretende reduzir a superlotação no CMP (Complexo Médico Penal), em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, onde estão detidos vários presos da Operação Lava Jato. Até o próximo dia 8 de novembro será feita a revisão da situação jurídica dos detentos que têm laudos psiquiátricos. Os processos dos detidos na Lava Jato não devem ser analisados.

O CMP local ficou nacionalmente conhecido como “Presídio da Lava Jato” por ser o local de custódia de figuras centrais da operação, como José Dirceu, Eduardo Cunha, João Vaccari Neto e Gim Argello.

Segundo o Conselho da Comunidade da Região Metropolitana de Curitiba, que monitora a execução penal, o CMP tem capacidade para 599 presos, mas abrigava na semana passada cerca de 950 detentos. Conforme o conselho, o local também enfrenta falta de médicos gerais, psiquiatras e enfermeiras.

“O Complexo perdeu o propósito hospitalar. Virou um cadeião. Hoje, o CMP não tem capacidade para fazer tratamento penal hospitalar. Além da superlotação, faltam médicos, faltam psiquiatras, faltam enfermeiras. Transformaram o Hospital Penitenciário em uma galeria para abrigar presos do ‘colarinho branco’. Mesmo assim, a unidade continua recebendo detentos com problemas médicos de todo o estado”, afirma Isabel Kugler Mendes, presidente do Conselho da Comunidade.

De acordo com o Mapa Carcerário do Paraná, do Depen (Departamento Penitenciário), o estado tem atualmente 28.597 pessoas presas, com uma superlotação de 7.393 detentos. Se somar o número de pessoas detidas em delegacias, o total de detentos no Paraná se aproxima de 40 mil.

MUTIRÃO CARCERÁRIO

Nas avaliações são verificados o cumprimento de prazos legais para o andamento dos processos e as possibilidades de progressão de regime ou expedição de mandado de soltura e liberdade condicional, por exemplo – tudo com base na Lei de Execuções Penais.

O objetivo é analisar os processos e, consequentemente, abrir vagas para desafogar o sistema penitenciário do estado, segundo o desembargador Ruy Muggiati, supervisor do Grupo de Monitoramento e Fiscalização (GMF) do Sistema Carcerário do Paraná. O mesmo procedimento já foi realizado na Colônia Penal Agroindustrial de Piraquara.

Os mutirões carcerários são coordenados pelo Tribunal de Justiça do Paraná e contam com participação do Ministério Público e da Defensoria Pública. Neste ano a previsão é de verificação de mais de 3 mil processos de execuções penais.

MAIS PRESÍDIOS

Em relação aos presídios, o governador Ratinho Junior confirmou, na metade do ano, que o Estado vai ampliar em até 6,3 mil o número de vagas no sistema prisional nos próximos anos.

Ainda em 2019, o governo promete inaugurar as obras da Cadeia de Campo Mourão, com 382 vagas, Centro de Integração Social Piraquara, com 216 vagas e a ampliação da Penitenciária Estadual de Piraquara II, com 501 vagas. Também estão previstas 501 novas vagas na ampliação da Penitenciária Estadual de Foz do Iguaçu I para 2020. No total, são nove obras em todas as regiões.

Previous ArticleNext Article
Avatar
Jornalista, formada pela Universidade Tuiuti do Paraná. Tem passagens pela TV Educativa, TV Assembleia, TV Transamérica, CATVE, Rádio Iguassu e Folha de Londrina. Atualmente trabalha no Paraná Portal e na Rádio CBN.