Neve em Curitiba completa 44 anos nesta quarta; veja imagens e relatos

Vinicius Cordeiro e Angelo Sfair

neve em curitiba


O dia 17 de julho deste ano, em Curitiba, foi gelado. A capital registrou uma geada leve e os termômetros chegaram à 0°C. Mas o frio de hoje não se compara ao que foi registrado há 44 anos.

Nesse mesmo dia, só que em 1975, a capital viu a sua última nevasca. O fenômeno não era inédito, mas a neve não era vista pelos curitibanos desde 1928.

Desde aquele ano, não houve episódio parecido com aquele registrado há 44 anos. E ainda há quem aguarda por neve como aquela.

“Parecia que era piada”

O jornalista José Wille, colunista do Paraná Portal, relembra o 17 de julho de 75. Na época, ele estudava à noite e servia o Exército. No dia que nevou, Wille dormia em casa e foi acordado por seu pai.

“Não tinha essa história de nevar em Curitiba. Não acontecia desde 1928. Mas meu pai abriu a janela e pediu para que olhássemos para fora. E realmente vimos a grama branca e a neve caindo. Foi uma surpresa muito grande”, relatou.

A neve foi terrível para a economia paranaense. A maior parte das plantações de café se perderam, deixando milhares de trabalhadores do campo desempregados e desamparados. Mas os prejuízos foram calculados depois. No dia que nevou o clima da cidade era festivo.

“A primeira sensação que você tem, quando acontece algo assim, é que se tornaria corriqueiro. Como se a neve tivesse vindo para ficar”, contou o jornalista.

Wille destaca que o episódio de 1975 surpreendeu pela duração. A impressão é de que a neve duraria poucos minutos. No entanto, ela permaneceu caindo por horas, ficando ainda mais intensa por alguns momentos da manhã e da tarde.

“Não é sempre assim?”

Vilma Barbosa havia chegado recente à capital paranaense. Vinda de Minas Gerais, ela trouxe os sete filhos para morar em Curitiba. Foi na casa da família, no bairro Água Verde, que viu a neve pela primeira vez.

“Nós éramos de uma cidade bem ‘encalorada’. Lá não tinha nada disso. Foi uma surpresa! Ninguém esperava por isso”, conta ela, que hoje tem 82 anos.

Num misto de medo e euforia, ela tratou de agasalhar os filhos para que todos pudessem aproveitar a manhã nevada na capital. Ela conta que a neve foi suficiente para espalhar a cor branca pelos telhados, gramados e ruas de toda a vizinhança.

“Meu filhos saíram todos de moletom, casacos e jaquetas. Tudo estava branco e as crianças se divertiam fazendo bonecos de neve”, relatou.

Uma frustração de Vilma foi nunca mais ter visto neve como aquela. Para uma recém-chegada a Curitiba, a impressão era de que o fenômeno aconteceria com mais frequência.

 

Dia de folga

Orlando Sálvaro, conhecido como ‘Seu Orlando’, guarda uma memória extraordinária da ocasião. Ele morava no Bairro Alto e tinha que fazer uma boa caminhada para pegar o ônibus e ir até Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, onde trabalhava como contador de uma empresa. O problema é que, naquele dia, não tinha como trabalhar.

“Nem fui trabalhar para presenciar a neve. Me enfiei em um cobertor e fiquei vendo a neve… Curtindo. Quando você nunca vê algo e acha bonito, fica entusiasmado. Foi fabulosa”, descreve.

Apesar de ter ficado encantado, nem tudo foi perfeito. “Uma lembrança que eu guardo muito é que meu filho iria fazer um ano no dia 22. Fomos aprontar uma festa e os canos da casa estouraram com o gelo. Foi um auê…”, relembra ele. Mesmo com o trabalho, o que ele guarda é saudade. “Foi uma experiência única. Infelizmente na época eu não tinha máquina, mas eu bem gostaria ter tirado uma foto”, completou.

Confira mais sobre a neve em Curitiba:

Previous ArticleNext Article