Nove são presos em operação contra quadrilha de roubo de cargas

A Polícia Civil deflagrou uma operação para prender uma quadrilha especializada em roubo de cargas.A ação da quad..

Andreza Rossini - 22 de agosto de 2018, 09:39

Foto: Divulgação Polícia Civil
Foto: Divulgação Polícia Civil

A Polícia Civil deflagrou uma operação para prender uma quadrilha especializada em roubo de cargas.

A ação da quadrilha teria causado um prejuízo aproximado de R$ 3,5 milhões para transportadoras em apenas dois meses, com pelo menos sete roubos, todos na região de Curitiba. Os assaltos foram todos contra cargas refrigeradas para o transporte de carnes e derivados.

Foram cumpridos mandados judiciais em Curitiba, Maringá, no noroeste do estado e em Porto Belo- SC, entre a tarde de terça-feira (21) e a manhã de hoje (22).

Além das prisões, os policiais apreenderam oito veículos (um Peugeot 206, um GM Corsa, um Ford Courier, um Peugeot 307, Hyundai HB20, um caminhão Mercedes Benz com câmara frigorífica e uma motocicleta 160 cilindradas), além de um revólver calibre 38 e um jammer (aparelho utilizado para bloquear o sinal rastreador de veículos).

De acordo com as investigações, além de armas de fogo e coletes de proteção balística, a quadrilha dispunha de um verdadeiro aparato tecnológico para roubar as cargas sem que o caminhão fosse imediatamente localizado. "Eles utilizavam um aparelho “jammer", chamado popularmente por “capetinha” ou “chupa-cabra”, que pode neutralizar o rastreador via satélite GPS momentaneamente", explica Feltes.

Para o delegado-chefe da Divisão de Crimes Contra o Patrimônio (DCCP), Alexandre Macorin, a atuação criminosa da quadrilha reflete em um prejuízo não apenas para as transportadoras, mas para a população de maneira geral. “As perdas causadas pelos roubos somadas aos investimentos das transportadoras em segurança, com escoltas e equipamentos de rastreamento, faz com que o produto final acabe ficando mais caro para o consumidor", afirma.

Mandados

As ordens judiciais foram cumpridas nos bairros Sítio Cercado, Pilarzinho e Abranches, em Curitiba, na Vila Pompéia, em Campo Largo e no bairro Rio Pequeno, em São José dos Pinhais. Outros dois mandados de prisão foram cumpridos em Maringá e na cidade de Porto Belo, em Santa Catarina. Os trabalhos tiveram apoio da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Roubos

A polícia apurava inicialmente um crime de roubo ocorrido na madrugada do dia 07 de junho deste ano, na BR 277, no contorno sul, no bairro CIC. Na ocasião, dois homens armados com pistolas renderam o motorista, que transportava uma carga de carne bovina avaliada em cerca de R$ 150 mil. A vítima foi obrigada a dirigir até as proximidades do Ceasa, no bairro Umbará, e posteriormente foi mantida como refém em um matagal.

O motorista permaneceu sob a mira de armas de fogo por cerca de seis horas, até que os criminosos realizassem o transbordo da carga. Marlon Silva Celestino dos Santos e Jonathan Rafael Wilt Gonçalves foram reconhecidos por uma das vítimas.

No dia 1º de julho os suspeitos teriam roubado a carga de um caminhão carregado com 10 toneladas de frios, também no Contorno Sul. O mesmo aconteceu com um outro motorista na noite do dia 28 de julho. Ele foi interceptado na Rodovia do Xisto, em Araucária, quando transportava uma carga de frango congelado avaliada em R$ 82 mil. No dia 2 de agosto, a vítima foi outro caminhoneiro que seguia para Itajaí-SC, com aproximadamente 11 toneladas de carne bovina.

Os criminosos realizaram o último roubo no dia 04 de agosto, por volta das 21h. Eles abordaram o motorista de um caminhão que saiu da cidade de Tapejara (RS) com destino ao estado do Rio de Janeiro (RJ), com uma carga de cortes de frango. O motorista foi rendido no momento em que trafegava pela BR-116, no bairro Tatuquara. A vítima permaneceu como refém até às 05h do dia seguinte.