Covid-19: Novo decreto de Curitiba libera serviços não essenciais durante bandeira laranja

Mirian Villa e Ana Cláudia Freire

coronavírus em curitiba, mortes, morte, óbito, óbitos, casos confirmados, boletim, informe epidemiológico, sms, secretaria municiapal da saúde, coronavírus, covid-19, curitiba

Nesta terça-feira (21), a Prefeitura  divulgou um novo decreto em Curitiba que libera serviços não essenciais e além de outras atividades com restrições de horário.

O Decreto 940/2020 traz restrições de horários para funcionamento de alguns ramos  do comércio em Curitiba e atividades com maior potencial de contaminação seguem suspensas.

De acordo com a SMS (Secretaria Municipal de Saúde), os critérios para a tomada das medidas são: evitar aglomerações e restringir acúmulo de circulação (incluindo nos horários de pico do transporte coletivo).

A Secretária Municipal de Saúde, Márcia Huçulak, afirmou que é preciso olhar para sociedade como um todo e não atender somente o interesse de alguns grupos. Por isso, o novo decreto contempla vários ramos no comércio, mas mantém restrições ao final de semana, quando a população “quebra” o isolamento.

” Nós aprendemos algumas coisas nesses 140 dias, uma delas é que a sociedade está cansada e isso nós sabemos e estamos sendo muito cobrados e sempre digo que estamos em uma situação que um grupo de pessoas querem que liberem serviços e por outro lado há pessoas que querem que feche tudo. Eu sempre digo que a gente precisa olhar a sociedade como um todo e achar a medida de virtude. Nós optamos pelo caminho do meio, do bom senso, da ponderação, da tolerância e do vai passar”, afirmou a secretária.

A secretária afirmou ainda que a Prefeitura não está flexibilizando o isolamento e sim criando uma espécie de quarentena aos finais de semana.

“Aos finais de semana vamos fazer uma quarentena em Curitiba porque a população tende a sair nos finais de semana. Não estamos flexibilizando, apenas criando uma quarentena no sábado e domingo”, disse.

Questionada sobre a lotação de 92% dos leitos de UTI na cidade e o novo decreto que permite mais atividades na rua, a secretária voltou a reforçar que não há flexibilização.

“Não estamos flexibilizando, estamos publicando o decreto e ele fez pequenos ajustes. É é o mesmo critério vigente do dia 13 de junho, só tivemos um intervalo de 14 dias atendendo o decreto do governador, nós ampliamos duas horas do comércio para ajustar o horário do ônibus e a academia é uma atividade individual. Infelizmente nos parques existe aglomeração… Nós gostaríamos de abrir os parques, mas refletimos que o momento não permite, não sei o que acontece, as pessoas relaxam, não usam máscara, fazem encontros. Desde o início de julho temos um plano de contingencia e estamos trabalhando nossas equipes em relação a isso e trabalhando fortemente nossa central de monitoramento. O vírus não vai embora por milagre, a gente precisa que o cidadão entenda que quem tem doença precisa se isolar”, explicou Huçulak.

NOVO DECRETO EM CURITIBA

Curitiba continua na bandeira laranja, o que indica nível de alerta médio para a Covid-19. Todas as atividades na cidade precisam cumprir as determinações de distanciamento social, uso de álcool em gel, entre outras medidas contidas na Resolução 001.

CONFIRA O QUE PODE E O QUE NÃO PODE COM AS NOVAS MEDIDAS: 

Atividades suspensas:

  • Atividades de entretenimento com ou sem música (tais como casas de show, festas, teatros, circo e atividades correlatas), eventuais ou periódicas, bem como estabelecimentos destinados eventos sociais e atividades correlatas, além do voltados a feiras técnicas ou de varejo, mostras comerciais, congressos, convenções e outros.
  • Bares e atividades correlatas
  • Parques e praças esportivas
  • Atividades físicas aquáticas e práticas esportivas coletivas
  • Clubes sociais e esportivos, podendo manter o funcionamento das atividades permitidas nos estabelecimentos de rua (como lanchonetes e restaurantes, academias e salões de beleza), dentro das regras de cada área (veja mais a seguir).

Atividades com devem funcionar com restrições:

  • Comércio de rua não essencial: atendimento ao público entre 10h e 18h, de segunda a sexta-feira, com proibição de funcionamento aos sábados e domingo permitido apenas para a modalidade delivery.
  • Shopping centers: podem funcionar de segunda a sexta-feira, entre 12h e 20h, devendo permanecer fechados nos fins de semana. Os serviços de alimentação que funcionem nesses locais poderão operar nos fins-de-semana apenas na modalidade delivery (e-commerce), sem restrição de horário; drive thru e retirada em  balcão estão vetados nesses estabelecimentos
  • Galerias e centros comerciais: das 10h às 18h, de segunda a sexta-feira, com proibição de funcionamento aos sábados e domingos. Os serviços de alimentação que funcionem nesses locais poderão operar nos fins-de-semana apenas na modalidade delivery (e-commerce), sem restrição de horário.
  • Restaurantes e lanchonetes: até às 22h, de segunda a sábado. Após esse horário e aos domingos, podem funcionar apenas na modalidade delivery e drive-thru.
  • Mercados, supermercados e hipermercados: de segunda-feira a sábado, sem restrição de horário. Aos domingos, não podem funcionar em nenhuma modalidade de atendimento.
  • Panificadoras e padarias: de segunda a sábado até às 22 horas, sem consumo no local. Aos domingos, das 7h às 18h.
  • Comércio de produtos e alimentos para animais: de segunda-feira a sábado, sem restrição de horário, sendo no domingo permitido atendimento de delivery e drive-thru.
  • Feiras livres: de segunda a sexta-feira, sem restrição de horário, com proibição aos sábados e domingos.
  • Comércio varejista de hortifrutis, quitandas, mercearias, peixarias e açougues: de segunda-feira a sábado, com proibição de funcionamento aos domingos.
  • Serviços não essenciais: funcionamento de segunda a sábado, sem restrição de horário, com proibição de funcionamento aos domingos. Enquadram-se neste item serviços como: escritórios em geral, salões de beleza, barbearias, atividades de estética, academias de ginástica, serviços de banho e tosa de animais.
  • Lojas de material de construção (serviço essencial): funcionamento de segunda-feira a sábado, sem restrição de horário. Aos domingos, podem funcionar nas modalidades delivery e drive-thru
  • O horário de entrada dos trabalhadores dos estabelecimentos comerciais deverá ser compatível com o horário de abertura do estabelecimento.

No caso de estabelecimentos que atuem em mais de um setor (por exemplo: mercado que contém padaria), vale a regra para aquilo que é sua atividade principal.

Devem operar com no máximo de 50% de sua capacidade de operação:

  • Hotéis, resorts,  pousadas e hostels.
  • Callcenter e telemarketing: a partir das 9h (exceto os vinculados a serviços de saúde ou home-office, que podem funcionar com capacidade normal).

OUTRAS MEDIDAS NOVO DECRETO EM CURITIBA

  • O transporte coletivo da capital deve continuar funcionando com lotação máxima de 50% da capacidade de cada veículo.
  • O decreto não se aplica:  às atividades produtivas pela internet, correio e televendas que possuam licenciamento vigente nem aos serviços e atividades de drive-in (regidos pelo decreto 739).
  • Os procedimentos cirúrgicos eletivos ambulatoriais e hospitalares (portanto, não urgentes) ficam suspensos, a fim de otimizar a ocupação dos leitos hospitalares e a utilização dos estoques. A suspensão não se aplica a procedimentos de cardiologia, oftalmologia, oncologia, nefrologia e a exames considerados urgentes pelo médico prescritor.

As medidas previstas no decreto não poderão afetar o exercício e funcionamento dos serviços e atividades essenciais (estabelecidos no Decreto 470).

ULTIMO BOLETIM REGISTOU 19 MORTES POR COVID-19 NA CAPITAL, EM 24 HORAS

Curitiba alcançou a marca de 13.935 casos e 369 mortes causadas pela Covid-19, de acordo com boletim divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde nesta segunda-feira (20). Somente nas últimas 24 horas, 19 novos óbitos e 537 casos foram registrados na capital.

De acordo com o levantamento, das 19 vítimas fatais 11 eram homens e oito mulheres, com idades entre 22 e 92 anos. A maior parte desses óbitos, ainda segundo a Prefeitura, foi registrada nos últimos três dias.

Ainda conforme os últimos dados da Covid-19 na capital, a taxa de ocupação das UTIs do SUS exclusivas à doença chegou a 92% – há 27 leitos do SUS livres, dos 335 leitos covid em hospitais da cidade

Previous ArticleNext Article