Novo vagão de luxo é atração no passeio de trem para Morretes

Que tal conhecer uma das ferrovias mais lindas e históricas do mundo a bordo de um luxuoso vagão fabricado em 195..

Simone Giacometti - 24 de fevereiro de 2019, 16:56

Foto: Simone Giacometti
Foto: Simone Giacometti


Que tal conhecer uma das ferrovias mais lindas e históricas do mundo a bordo de um luxuoso vagão fabricado em 1954 com uma varanda panorâmica de 6 metros especialmente projetada para colocar os passageiros a bordo mais próximos da natureza?  Essa é ideia do novo produto lançado pela Serra Verde Express, empresa operadora do trem turístico.  O carro é o sexto da categoria com serviço de primeira classe e vai circular entre Curitiba e Morretes, no litoral do Estado.

Assinado pela arquiteta Lucille Amaral,  o projeto retrô foi inteiramente desenvolvido com materiais sustentáveis e madeira certificada. O vagão  foi adquirido em leilão no Espírito Santo e levado à Curitiba para reforma. O interior tem tonalidades verdes para combinar com a vegetação exuberante da Mata Atlântica. A capacidade é para 32 pessoas viajarem confortavelmente sentadas em um ambiente com cadeiras e mesas projetadas para o atendimento a bordo.  A iluminação interna é mantida por painéis solares que ficam na parte externa superior, com autonomia para três dias de viagem.  Alimentos e bebidas estão incluídos no passeio. Há um banheiro no vagão e bastante espaço para a circulação dos passageiros entre uma ponta à outra.

A varanda é o local mais procurado, pois coloca os viajantes em contato direto com a natureza. Tão perto que é comum esquivar-se das folhas das árvores próximas à ferrovia em alguns trechos do percurso. O gradio da varanda é em estilo antigo também.  Lucille pensou em todos os detalhes. "O piso emborrachado é uma imitação de cimento com pedrinhas, e foi um dos maiores desafios. A varanda pega sol e chuva direto, e quando engata uma composição na outra, há um impacto que faria quebrar qualquer outro material mais rígido. Pesquisando muito cheguei à essa solução de um piso emborrachado, que não empoça água, é antiderrapante e também e drenante", revela Lucille.

A arquiteta também foi responsável por outros projetos que encantam os turistas.  Em 2015 criou a decoração para a Litorina Curitiba, em 2017 fez o Vagão Imperial e o Vagão Restaurante. Desde o final de 2018 trabalhava no carro de luxo Barão do Serro Azul. A escolha do nome é uma homenagem ao importante personagem da história política e econômica do Estado: Ildefonso Pereira Correia, o maior produtor de erva-mate do mundo. Tema de livros e filme, o poderoso Barão foi assassinado no km 65 da ferrovia Paranaguá- Curitiba durante a Revolução Federalista.

Nossa História

O passeio no novo carro de luxo oferece uma vista privilegiada da ferrovia idealizada pelos irmãos André Rebouças, Antônio Pereira Rebouças Filho e José Rebouças, considerada até uma hoje um marco da engenharia.  Desde que foi inaugurada em 1885, a obra encanta pela grandiosidade e dificuldades para construção em uma época em que não havia tecnologia disponível e todo trabalho era braçal.  Foi a partir dela que o Paraná passou a fazer parte do cenário das exportações, tendo como figura icônica, o Barão do Serra Azul. Essa e outras histórias são contadas pelo guia César Kuczkowski que sabe de cada atrativo da viagem. "Essa ferrovia representou um marco na economia do Parana e do Sul do país", explica.

Em meio ao coração da Mata Atlântica,  estão treze túneis e desfiladeiros de tirar o fôlego, passando pela cadeia de montanhas do Marumbi, que atinge 1.539 metros de altitude no ponto mais alto. Várias quedas d'água podem ser avistadas. A maior delas é a Cachoeira do Véu da Noiva, que tem cerca de 80 metros de altura. O desfiladeiro próximo onde o Barão do Serro Azul foi morto se chama Garganta do Diabo e pode ser visto logo após a passagem por um dos túneis.

Para Adonai Aires de Arruda, presidente da Serra Verde Express, o novo produto é uma forma de alinhar história, turismo e meio ambiente. " A ferrovia é mais que centenária. Ela tem uma vinculação muito grande com a história do país e com o meio ambiente, pois corta a maior área de preservação da Mata Atlântica. Temos ainda a figura do Barão do Serro Azul, um herói paranaense morto na ferrovia durante a Guerra do Contestado. Além de ser o maior exportador de erva mate do Paraná, ele fundou a Associação Comercial do Paraná. Pensando em todos esses elementos, criamos esse novo produto".