PRF prende grupo que vendia remédios falsos para índios

Mariana Ohde

Os presos declararam que comercializam “há anos” os produtos em aldeias indígenas no Mato Grosso do Sul.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) prendeu, nesta quinta-feira (10), quatro homens, em flagrante, com cerca de 160 medicamentos sem registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O grupo confessou que venderia os produtos para comunidades indígenas do Mato Grosso do Sul. O caso aconteceu em Guaíra, região Oeste do Paraná.

O artigo 273 do Código Penal prevê pena de dez a 15 anos de prisão para quem mantém em depósito, vende ou distribui medicamentos sem registro. A pena é mais pesada que a do tráfico de drogas, que varia de cinco a 15 anos.

Segundo a PRF, um automóvel Volkswagen Santana foi abordado por volta de 18h30 na BR-163, em frente à Unidade Operacional Ponte Ayrton Senna. Durante a abordagem, os policiais encontraram, no porta-malas, caixas com diversos produtos ilegais caracterizados como medicamentos, com indicação terapêutica e sem registro na Anvisa.

Os dois ocupantes do Santana, ambos homens, com 33 e 37 anos de idade, foram presos em flagrante.


Na sequência, outros dois homens, que estavam em uma caminhonete Volkswagen Amarok e se apresentaram como amigos da dupla já presa, foram abordados. Dentro da caçamba do veículo havia mais medicamentos irregulares. Com 36 e 39 anos de idade, eles também foram presos.

Um terceiro veículo do grupo, uma caminhonete Fiat Strada, foi apreendido em um posto de combustível. Ele também estava carregado com medicamentos ilegais.

Todos os presos declararam que comercializam “há anos” os produtos em aldeias indígenas no estado do Mato Grosso do Sul, localizadas nas cidades de Paranhos e Amambai.

Entre as cerca de 160 unidades de medicamentos apreendidas estão produtos como ‘Xarope da Vovó’, cuja embalagem traz supostas indicações para asma, gripe, tosse e infecções pulmonares; ‘Gel do Amazonas’ (reumatismo, artrose, varizes); e ‘Gel Cura Tudo’ (cólicas, feridas, picada de insetos, micoses). Nenhum dos três produtos têm registro na Anvisa.

A PRF encaminhou os quatro presos, a carga ilícita e os veículos para a Delegacia da Polícia Federal em Guaíra.

Foto: PRF

Post anteriorPróximo post
Comentários de Facebook