Operação Baalon: PF desarticula grupo especializado em importação irregular de cabelos

Redação


A Operação Baalon foi deflagrada na manhã desta terça-feira (10) com o objetivo de desarticular um grupo criminoso especializado em realizar importação irregular de cabelos de origem estrangeira.

No total, sete mandados de busca e apreensão serão cumpridos em quatro cidades: Foz do Iguaçu (PR), Curitiba (PR), São Paulo (SP) e Araçatuba (SP). Os investigados poderão responder pelos crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e operação irregular de instituição financeira.

OPERAÇAÕ BAALON MIRA GRUPO CRIMINOSO COM INTEGRANTES DE ORIGEM INDIANA

As investigações tiveram como foco um grupo criminoso, parte dele composto por pessoas de origem indiana, voltado a realizar importação irregular de cabelos humanos. Segundo a PF (Polícia Federal), quando os cabelos não eram subfaturados por meio de processos de importação realizadas por empresas brasileiras, eram irregularmente internalizadas por meio da fronteira com o Paraguai.

Durante as investigações, foi notado que as pessoas interessadas em adquirir essas mercadorias (clientes brasileiros que trabalham com o comércio de cabelos humanos) realizavam os respectivos pagamentos por meio de contas bancárias tituladas por interpostas pessoas.

Por sua vez, para que o grupo criminoso conseguisse realizar o pagamento de seus fornecedores estabelecidos no estrangeiro, os reais recebidos no Brasil eram então convertidos em dólares.

A conversão em moeda estrangeira ocorria com a remessa física de reais em espécie para o Paraguai ou por meio de contato com algum operador financeiro, que disponibilizava o contravalor via sistema internacional de compensação paralelo, sem registro nos órgãos oficiais, conhecido por dólar-cabo.

Considerando que alguns investigados possuem nacionalidade indiana e que as atividades comerciais que eles desenvolveram estão relacionadas ao comércio de cabelos humanos, o nome da operação faz referência a uma das traduções da palavra “cabelos” para o idioma Híndi, que é “Baalon”.

Leia também: Eleições 2020: confira dicas para votar com segurança em meio à pandemia de Covid-19

Previous ArticleNext Article