Operação no Paraná apura plágio e fraude de R$ 10,3 milhões em licitação

Vinicius Cordeiro

A empresa que venceu a licitação já recebeu R$ 7,8 milhões do valor do contrato.
operação luz oculta paraná foz do iguaçu

25 mandados de busca e apreensão foram cumpridos pela Polícia Civil do Paraná no âmbito da Operação Luz Oculta, que investiga os crimes de plágio e fraude de R$ 10,3 milhões em uma licitação que pretendia melhorar a iluminação pública de Foz do Iguaçu, no oeste do Estado. Do valor total do contrato, a empresa já recebeu R$ 7,8 milhões, conforme consta no site do Tribunal de Contas do Estado do Paraná.

A ação aconteceu nesta quinta-feira (21) em seis cidades diferentes: Foz, Cascavel, Ponta Grossa, Curitiba, Araucária, Fazenda Rio Grande, no Paraná, e em Balneário Camboriú, em Santa Catarina.

“Esse desdobramento se deu em razão da empresa, que não é de Foz do Iguaçu e sim de Curitiba. Isso acabou necessitando de demanda na sede da empresa quanto nas casas dos sócios-proprietários e também de outras empresas que estão vinculadas a essa empresa vencedora e que apareceram durante a investigação”, conta o delegado Gustavo Mendes Marques de Brito, da PCPR, ao Paraná Portal.

Segundo ele, todas os mandados foram cumpridos até o início da tarde. Com isso, foram apreendidos diversos documentos e dezenas de aparelhos eletrônicos, como celulares e computadores.

As investigações começaram há cinco meses e agora entra na fase de análise dos materiais apreendidos.

EMPRESA QUE VENCEU LICITAÇÃO PODE TER COMETIDO PLÁGIO DE DOCUMENTOS DE PORTUGAL

Conforme o delegado Gustavo Mendes Marques de Brito, a operação pode comprovar os indícios que a empresa de Curitiba pegou informações de diversos documentos públicos no processo licitatório.

“Determinado ponto do projeto está igualmente descrito em um projeto de uma tese de mestrado, por exemplo. Eles também utilizaram documentação referente a cidade de Coimbra, em Portugal”, conta ele.

“Não dá para afirmar que houve uma cópia de um projeto que foi utilizado, mas há elementos do projeto de documentações portuguesas e isso vai ser melhor analisado agora”, completa.

Já que apenas uma empresa foi habilitada na licitação, ainda existem indícios de favorecimento. Mas isso ainda será avaliado melhor no decorrer das análises dos celulares e computadores.

DIRETOR DE FOZ DO IGUAÇU ESTÁ À DISPOSIÇÃO, DIZ DEFESA

O diretor de Iluminação Pública de Foz do Iguaçu, Pablo Braga, disse que está à disposição das autoridades para prestar esclarecimentos necessários. Além disso, ele afirma que está com a “consciência tranquila sobre a seriedade e a lisura do trabalho desempenhado em prol da sociedade” de Foz do Iguaçu.

Previous ArticleNext Article