Operação investiga políticos por concessão ilícita de alvarás para construtora

Francielly Azevedo e Ana Cláudia Freire

Duas pessoas são alvos de mandados de prisão temporária, nesta terça-feira (20), na Operação Rota 66, que apura crimes envolvendo concessão ilícita de alvarás para uma construtora. A ação foi deflagrada pelo Ministério Público do Paraná, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). Também foram expedidos 19 mandados de busca e apreensão nas cidades de Curitiba, Pinhais, Araucária, Campo Largo, Balsa Nova e São José dos Pinhais.

De acordo com as investigações, conduzidas pela 1ª Promotoria de Justiça de Campo Largo, com apoio do Gaeco, os investigados são responsáveis por atos legislativos e pela emissão de alvarás de construção e licenças ambientais direcionados para beneficiar a empresa de construção civil. A construtora é detentora e executora de quatro empreendimentos residenciais em Campo Largo, avaliados em R$ 400 milhões, além de outras obras na região metropolitana.

São apurados os crimes de corrupção ativa e passiva, falsidade ideológica, tráfico de influência e associação criminosa. A construtora é detentora e executora de quatro empreendimentos residenciais em Campo Largo, avaliados em R$ 400 milhões, além de outras obras na região metropolitana.

Os mandados de prisão temporária são dirigidos ex-secretario municipal de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente de Campo Largo (gestão 2013-2016), e ao sócio majoritário da construtora. Os de busca e apreensão têm como alvos as residências e escritórios do ex-secretário preso, de um ex-deputado estadual (mandato 2015-2018), um ex-prefeito de Campo Largo (gestão 2013-2016) e servidores públicos vinculados ao Instituto Ambiental do Paraná.

Em coletiva concedida nesta manhã, o promotor de Justiça, Anastácio Fernandes Neto, afirmou que os envolvidos forneciam alvarás pra construção  de empreendimentos em áreas de preservação ambiental e que os consumidores que compraram imóveis nas regiões precisam ser orientados pelos órgãos oficiais. “As pessoas que estão negociando esses imóveis, que procurem a promotoria de Justiça pra buscar informações e também relatar [questões específicas da compra], de forma que consigam mais informações sobre o empreendimento que estão pensando em adquirir”,  afirmou o promotor.

O Governo do Paraná informou há pouco ter exonerado o assessor especial do governo, o ex-deputado estadual Alexandre Guimarães. O pedido partiu do próprio ex-deputado estadual, para que pudesse se dedicar à sua defesa na investigação realizada pelo Ministério Público do Paraná.

Previous ArticleNext Article
Avatar
Jornalista, formada pela Universidade Tuiuti do Paraná. Tem passagens pela TV Educativa, TV Assembleia, TV Transamérica, CATVE, Rádio Iguassu e Folha de Londrina. Atualmente trabalha no Paraná Portal e na Rádio CBN.