Paciente que morreu de febre amarela assinou termo se recusando a tomar vacina

Redação e Kelly Frizo - BandNews FM Curitiba

Um dos pacientes que morreu vítima de febre amarela no Paraná teria assinado um termo dizendo que não gostaria de tomar a vacina contra a doença. O homem era morador do litoral do Paraná. De acordo com o boletim epidemiológico da Secretaria de Estado da Saúde (SESA), só neste ano já foram confirmados 14 casos de febre amarela no Paraná. Outros 85 seguem em investigação.

“Um dos pacientes que adquiriu uma forma grave da doença, e que inclusive foi a óbito, declarou por escrito que não gostaria de tomar a vacina. Na verdade ele assinou uma autorização para sua própria morte, o que é muito trágico. É importante que a população saiba que a posição do cidadão em procurar o serviço de saúde é fundamental”, afirmou o diretor da 1ª Regional de Saúde, em Paranaguá, José Carlos de Abreu.

O último caso da doença foi registrado em Paranaguá, no litoral, na sexta-feira (5). Uma menina, de 11 anos, contraiu a febre amarela há dois meses, mas só agora o caso foi confirmado, porque dependia de exames complementares. Ela passou por tratamento e passa bem.

Os outros municípios com casos confirmados são Antonina, Morretes, Adrianópolis, Campina Grande do Sul, Curitiba, Piraquara e São José dos Pinhais.


Na maior parte dos municípios litorâneos, os índices de imunização contra a febre amarela ainda não atingiram a meta de 95% de cobertura vacinal, estipulada pela secretaria estadual de Saúde. “Há ainda, infelizmente, alguma resistência, especialmente adultos na tomada dessa vacina. É um desafio para o sistema de saúde de ir e convencer essas pessoas. É dramática essa opção de não vacinar”, destacou Abreu.

Segundo a Secretaria de Saúde de Paranaguá, entre janeiro e 4 de abril, foram aplicadas 17.996 doses contra a febre amarela. Alguns postos de saúde funcionam em horário estendido até às 11 horas da noite.

Em Antonina, onde houve três casos confirmados da doença, o receio em tomar a vacina também é um dos principais problemas enfrentados. O secretário de saúde do município, Odileno Garcia Toledo, conta que há vacinas suficientes, mas as equipes de saúde precisam convencer a comunidade a se imunizar. “A gente tem uma dificuldade muito grande na vacinação ainda. Mas nós temos insistido nas casas”, explicou.

Entre janeiro e a primeira semana de abril foram vacinadas 8.515 pessoas em Antonina, com cobertura vacinal de 95% da população alvo. Em Matinhos, entre janeiro e março foram vacinadas 12.361 pessoas. Segundo a secretaria de saúde, houve queda na procura pela vacinação contra a febre amarela. Para garantir a imunização, os agentes de saúde tem percorrido escolas, mercados, praças e áreas rurais.

Em Guaratuba, desde janeiro, foram aplicadas 18.735 vacinas contra a febre amarela.

Com um caso de óbito confirmado, a cidade de Morretes, atingiu cerca de 77% da meta de vacinação contra a febre amarela.A Secretaria Municipal de Saúde informou que a procura pela vacina diminuiu significativamente e há vacinas suficientes para os atendimentos.

O secretário Estadual de Saúde, Beto Preto, reforça a importância da vacina contra a doença. “É a forma mais eficaz de proteção e está disponível em todas as unidades de Saúde do Paraná. Todos com idade entre 9 meses e 59 anos devem ser vacinados. O Paraná informa os números com muita transparência pois está realizando ações de combate e de intensificação da vacinação em todos os municípios do Estado”, ressaltou.

Além dos casos em humanos, até o momento foram confirmadas cinco mortes de macacos por febre amarela em Antonina, Morretes, Paranaguá, Castro e São José do Pinhais. Outros 27 óbitos de animais estão em investigação.

 

Post anteriorPróximo post