Pai enforca filha após discussão por pagamento de pensão no PR

O pai da terapeuta ocupacional Aline Miotto Nadolny, 27 anos, foi preso pela Polícia Civil na noite de quinta-feira (13)..

Fernando Garcel - 14 de junho de 2019, 12:35

O pai da terapeuta ocupacional Aline Miotto Nadolny, 27 anos, foi preso pela Polícia Civil na noite de quinta-feira (13). Luiz Carlos Nadolny, 48 anos, confessou ter assassinado a filha e abandonado o corpo da vítima em Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC). O pagamento de uma pensão para uma irmã menor da vítima seria a causa da discussão que levou ao crime.

> Polícia investiga morte de terapeuta encontrada nos fundos da Colônia Penal Agrícola

Aline morava com seu marido no bairro Alto da XV e saía de casa todos os dias por volta das 6 horas da manhã para pegar o ônibus e ir até seu trabalho, uma escola situada no bairro Bacacheri. No dia dos fatos, Aline foi abordada há poucas quadras de sua residência pelo pai em um carro vermelho. Ela entrou no veículo e foi encontrada morta ao lado da Colônia Penal Agrícola, em Piraquara, com sinais de violência e marcas de agressão no rosto.

Segundo a investigação, a motivação do crime seria um desacordo que ele tinha com a mãe da vítima sobre o pagamento de uma pensão alimentícia de uma irmã menor. O pai queria que ela intermediasse com a mãe um valor menor de pensão.

"Pelo o que a gente tem, foi um rompante de momento, foi um ataque de raiva. Ela se recusou a entrar no meio dessa confusão dos pais dela em razão disso ele teve um rompante de ódio e partiu para cima dela. Ele deu detalhes e disse que foi mediante esganadura e no carro mesmo ela desfaleceu", explica o delegado Reinaldo Zequinão.

"Ele sempre teve um bom relacionamento com ela, mas há três anos eles não se encontravam pessoalmente. Em depoimento, o homem contou que enquanto era esganada, a jovem dizia "pai, eu te amo"', comenta o superintendente da delegacia de Piraquara, Job de Freitas.

OUÇA O DEPOIMENTO: 

Após o fato, o homem saiu com o veículo em direção a Campina Grande do Sul e seguiu até Piraquara, onde abandonou o corpo de Aline. Segundo o que ele alegou, o crime não foi premeditado e também não tinha conhecia a região em que deixou o corpo da filha.

O veículo utilizado no dia crime foi apreendido para dar prosseguimento as diligências. A Polícia Civil continua com as investigações, com o intuito de confrontar a versão apresentada pelo pai da vítima com demais provas e evidências colhidas no decorrer das diligências. O homem de 48 anos foi indiciado por homicídio e permanece detido à disposição da Justiça. Se condenado, poderá pegar até 30 anos de prisão.