Incêndios florestais mais que dobram e Paraná acende alerta; 268 focos só no final de semana

Redação

Incêndios florestais mais que dobram no Paraná em função da estiagem severa

A estiagem severa que atinge o Paraná, aliada ao clima seco característico do inverno e a vegetação ressecada por causa das geadas recentes fizeram o estado ligar o sinal de alerta para a ocorrência de incêndios florestais. Somente no último fim de semana, o Corpo de Bombeiros registrou 268 ocorrências do tipo, em diferentes regiões do estado.

Em um dos acionamentos, ocorrido no último sábado na BR-467, em Toledo, um homem de 36 anos sofreu ferimentos graves e precisou ser socorrido.

Segundo o Corpo de Bombeiros, a ocorrência de incêndios florestais apresentou redução nos primeiros meses do ano, mas se intensificou com a chegada do inverno. Em julho, foram 1.505 focos de queimadas, 125% a mais que no mesmo mês do ano passado, quando 669 ocorrências foram confirmadas. 

Os focos mais do que dobraram nos primeiros dias de agosto, com o registro de 674 incêndios ambientais entre os dias 1º e 8 de agosto, contra 329 no mesmo período de 2020.

“É importante que as pessoas mantenham seus terrenos limpos. Como a vegetação está seca devido à estiagem, a tendência é que o fogo se alastre de forma mais fácil e rápida”, alerta a tenente Ana Paula Bagge Alves Latuf.

A orientação dos Bombeiros é que as pessoas que avistarem uma ocorrência de incêndio florestal contatem imediatamente a central de operações da corporação, pelo número 193, e não tentem apagar as chamas por conta própria.

“Não orientamos que as pessoas tentem apagar sozinha o fogo, pois é muito perigoso atuar em um incêndio sem treinamento”, completa a tenente Bagge.

AÇÃO HUMANA PODE AUMENTAR OCORRÊNCIA DE QUEIMADAS

Além das condições climáticas ou naturais, uma parcela significativa dos incêndios é causada pela ação humana. As causas são as mais variadas, a partir de queimadas irregulares de vegetação e de lixo, bitucas de cigarro lançadas no mato, fogueiras e balões soltos irregularmente.

No Paraná, a infração administrativa e a multa para os responsáveis por provocar um incêndio ambiental variam de acordo com o tamanho da área atingida. O valor mínimo é de R$ 5 mil, mas pode chegar a R$ 50 milhões, dependendo de quantos hectares foram afetados pelo fogo e os danos causados na fauna e na flora da região.

A soltura de balões também é proibida no estado, já que a queda do artefato pode causar acidentes, com incêndios que podem atingir não somente a vegetação como também alguma residência.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="781863" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]