Paraná irá monitorar disponibilidade dos leitos de UTI nos hospitais privados

Redação

Sesa suspende cirurgias eletivas no Paraná até 15 de julho

Os hospitais da rede privada deverão comunicar ao Governo do Paraná a disponibilidade dos leitos de UTI e os números de atendimentos a pacientes com suspeita ou confirmação para a Covid-19.

As medidas constam no decreto número 7.989/21, sancionado pelo governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD), nesta segunda-feira (28).

Essas informações devem ser enviadas pelos hospitais da rede privada para a plataforma Care (Central de Acesso à Regulação do Paraná), ao menos duas vezes por dia.

“Este decreto visa conseguir o registro obrigatório de pacientes suspeitos e confirmados com a Covid-19 por parte de hospitais privados que não usam o sistema Care. Essas informações irão auxiliar o Governo do Estado na implantação, ou não, de medidas mais restritivas, compra e solicitação de equipamentos hospitalares e medicamentos de intubação”, explicou o secretário estadual da Saúde, Beto Preto

Segundo números da Regulação Estadual de Leitos, o Paraná registra nesta segunda-feira, 3.873 internações em leitos exclusivos SUS (Sistema Único de Saúde), sendo 1.890 em UTIs e 1.983 em enfermarias.

“Enquanto tivermos uma ocupação elevada de leitos com pacientes acometidos pela Covid-19 no Paraná, essas unidades deverão informar todos os atendimentos e leitos disponíveis, diariamente, ao Governo do Estado”, finalizou o secretário.

Além dos informes diários, todos os hospitais da rede privada precisam apresentar um Plano de Contingência para o enfrentamento da Covid-19 em até 24 horas após a publicação do decreto.

Esse Plano de Contingência deve apontar que ao menos 50% dos leitos de UTI desses hospitais possam ser remanejados para o atendimento de casos suspeitos e confirmados da Covid-19.

“A plataforma do Care já foi formatada para permitir que todos os hospitais façam os registros, e a Secretaria irá realizar imediatamente um treinamento com esses serviços para que possam informar a ocupação desses leitos”, completou o diretor de Gestão em Saúde da Secretaria da Saúde, Vinícius Filipak.

LEIA MAIS: Vacina: caminhoneiros começam a ser imunizados contra a covid-19 em Curitiba

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="772571" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]