Paraná já tem 70 presos fugitivos de carceragens superlotadas em 2018

Narley Resende


Narley Resende e Ana Flávia Silva, BandNews FM Curitiba

O Paraná registrou cinco fugas de delegacias do fim de semana da virada do ano até esta terça-feira (2). Quase 70 presos escaparam de carceragens em Curitiba, Almirante Tamandaré, Guarapuava e Prudentópolis, além de uma fuga em penitenciária de Cruzeiro do Oeste.

No 11º Distrito Policial de Curitiba, 26 detentos, de duas celas diferentes, fugiram entre a noite do dia 31 de dezembro e a madrugada do dia 1º de janeiro. Segundo a Polícia Civil, eles serraram as grades da cela e fugiram por um túnel.

Em Guarapuava, na região Sul do Estado, dez presos fugiram da Cadeia Pública, por volta das 5 horas da manhã de sábado (31). Segundo um agente da cadeia, os detentos fizeram um buraco na parede da carceragem, por onde conseguiram escapar.

Em Prudentópolis, na região central do Paraná, 17 presos fugiram da delegacia da cidade no dia 1º depois de cavar um túnel.

Parede remendada

Em Almirante Tamandaré, na Região Metropolitana, sete presos fugiram da delegacia. Eles deram um chute em uma parede remendada por causa de outra fuga e escaparam em seguida.

O único policial de plantão foi agredido e algemado. A Polícia Militar só chegou à delegacia depois que um motociclista escapou de ser roubado pelos fugitivos e ligou para o 190.

Mulheres

No sábado, dia 30, 17 presas fugiram do 8º distrito policial. Elas renderam o policial de plantão quando ele foi deixar as marmitas nas celas. Sem outro plantonista, as mulheres fugiram com facilidade.

“Favorecimento de fuga”

Uma nota, assinada pela Secretaria da Segurança Pública e Administração Penitenciária do Paraná, a direção da Polícia Civil e do Departamento de Execução Penal (Depen), afirma que “há grandes suspeitas de crime de favorecimento de fuga, por parte de dois agentes de cadeia do 11º Distrito Policial”.

A nota afirma ainda que foram instaurados inquéritos policiais para apurar os casos com rigor e que a substituição dos agentes foi solicitada ao Departamento Penitenciário, o Depen.

Superloração

Para o vice-presidente da Associação dos Delegados de Polícia do Paraná (Adepol), Daniel Fagundes, o grande problema das delegacias paranaenses é a superlotação e a falta de estrutura para manter os presos nos locais.

“Em todo o final de ano os presos ficam alvoroçados para tentar fugir. Na penitenciária eles tem muito mais dificuldade, por causa de estrutura mais adequada para guarda de presos. Mas nas delegacias de polícia – a maria funciona em prédios antigos – tem carceragens no interior desses delegacias que são muito frágeis. Então, com efetivo mínimo, as fugas acontecem. Eu acredito que não está havendo facilitação de fuga coisa nenhuma. É preso em lugar errado. Delegacia não é lugar de manter preso”, defende.

“A Adepol tem visitado as delegacias, não só da capital e região metropolitana, mas em todo o Paraná. O que a gente encontra é um amontoado de presos em espaços minúsculos – espaços que cabem 10 pessoas tem 80. O policial civil, que está em desvio de função, em vez de investigar para a população está cuidando de preso”, reclama.

No 11º Distrito, outros 30 detentos já haviam escapado no dia 18 de dezembro. De todas as fugas registradas neste fim de semana (30, 31 e 01), três presos foram recapturados em Guarapuava.

A nota divulgada pela Sesp e Depen destaca um avanço contra o problema da presença de detentos nas delegacias. Segundo o texto, no início de 2011 a Polícia Civil gerenciava em torno de 14 mil presos e hoje o número é de aproximadamente 9,5 mil. Mas a solução, mesmo, viria apenas com a entrega das 14 obras de construção e ampliação de unidades prisionais do Estado, que abririam cerca de 7 mil novas vagas no sistema penitenciário.

Penitenciária também tem fuga

Também houve uma fuga em uma penitenciária neste ano. Na Penitenciária Estadual de Cruzeiro do Oeste, no Noroeste do Paraná, na madrugada do dia 1º, quatro presos saíram por um túnel de uma das celas para o pátio da penitenciária. Depois, o grupo escalou o muro e fugiu.

De acordo com a direção da penitenciária, a fuga foi notada durante a contagem dos detentos, que é feita todos os dias no fim da manhã.

Previous ArticleNext Article