Governo do Paraná pede que Ministério da Saúde antecipe vacinação dos professores

Vinicius Cordeiro

Visando a retomada das aulas presenciais, governo estadual pressiona pasta federal para a vacinação dos profissionais da Educação.
paraná ministério da saúde vacinação professores

Beto Preto, secretário da Saúde do Paraná, solicitou que o Ministério da Saúde faça a antecipação da vacinação dos profissionais da Educação contra a Covid-19. A pedido do governador Ratinho Junior (PSD), o chefe da pasta estadual apresentou um ofício para que a imunização dos professores e trabalhadores aconteça simultaneamente às pessoas com comorbidades, previsto para maio.

“Queremos vacinar os professores e precisamos de vacinas. Vamos enfatizar esta posição do Paraná acerca da cobertura da Educação. Cabe ao Ministério essa revisão. Entendemos que existe viabilidade para uma vacinação em paralelo. Esta tem sido a orientação do governador Ratinho Junior e o Estado vem trabalhando com essa possibilidade”, afirmou o secretário.

Outra demanda presente no documento entregue ao secretário Nacional de Vigilância em Saúde, Arnaldo Medeiros, foi a chegada de mais doses para completar totalmente a vacinação dos profissionais da Saúde.

O Estado aponta uma defasagem de 78.400 doses que deveriam ser aplicadas nos trabalhadores de saúde. Segundo o governo estadual, o Ministério da Saúde considerou o censo populacional de 2010, o que prejudicou a vacinação dos paranaenses.

Neste momento, o Vacinômetro aponta que 1.698.462 de pessoas já receberam a primeira dose da vacina. Destas, 939.970 já completaram o ciclo da imunização.

Vale lembrar que o governador Ratinho Junior é um dos aliados do presidente Jair Bolsonaro. Ou seja, existe uma boa relação entre as administrações estadual e federal, sendo que Ratinho já havia adiantado as solicitações ao ministro Marcelo Queiroga.

VOLTA ÀS AULAS SEGUE SEGUE SEM PREVISÃO NO PARANÁ POR CAUSA DA VACINAÇÃO

A retomada das aulas presenciais já foi adiada pelo governo do Paraná em quatro ocasiões. Mais de um milhão de alunos estão sem ir para a escola há mais de um ano – mais especificamente desde o dia 16 de março de 2020.

No último adiamento, a SEED (Secretaria de Educação e do Esporte) suspendeu o retorno previsto para o dia 15 de março mesmo após aprovação da lei estadual que tornou a Educação como atividade essencial.

O agravamento da pandemia causado pela variante de Manaus fez com que Ratinho Junior suspendesse a volta às aulas. O governador entrou em acordo com o entendimento da APP-Sindicato (Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná) para que a retomada seja feita somente com a vacinação dos trabalhadores da Educação.

Vale lembrar que o Paraná esteve em decreto restritivo em março, sendo que no dia 16 daquele mês houve recorde na fila por leitos. Naquele dia, 1.357 pacientes aguardavam por internação: 641 pessoas precisavam de UTI e outras 716 por uma vaga em enfermaria.

Recentemente, o governador Ratinho Junior ressaltou que pretende determinar a volta das aulas presenciais em maio.

Na última segunda-feira (26), o secretário Renato Feder, da Educação, foi cobrado sobre a volta às aulas pelos deputados paranaenses. Questionado sobre as previsões, ele reiterou o posicionamento atual do governo estadual de que a retomada depende da vacinação.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="760557" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]