Homens são presos em operação de combate à pedofilia e abuso infantojuvenil na internet

A Polícia Civil do Paraná (PCPR) deflagrou, na manhã desta quarta-feira (12), a terceira fase da operação “Predadores na..

Redação - 12 de junho de 2019, 11:26

A Polícia Civil do Paraná (PCPR) deflagrou, na manhã desta quarta-feira (12), a terceira fase da operação “Predadores na Rede”. Quatro homens, com idades entre 29 e 54 anos, foram presos durante a ação em posse de material de abuso infantil. O objetivo da ação é combater a pedofilia e o abuso infantojuvenil na internet.

As investigações tiveram início há aproximadamente dois meses, quando a PCPR passou a acompanhar a coleta de material de abuso infantil realizada através da internet, por parte dos investigados. As prisões são resultados de três cumprimentos de mandado de busca e apreensão, realizados nos bairros Uberaba, Cajuru e Vila Fanny. Três dos homens foram presos em flagrante por estar em posse de materiais contendo imagens de abuso infantil. Um deles possuía ainda um mandado de prisão em aberto por maus-tratos a idosos.

"Foram encontrados novamente arquivos de exploração sexual de crianças. Em um dos alvos, foram encontrados cerca de 12 mil arquivos, sendo centenas envolvendo cenas de crianças e de exploração sexual. O flagrante permitiu que identificássemos a situação de adquirir, possuir e indícios de compartilhamento nos três computadores", explicou o delegado Demetrius Gonzaga.

Já o quarto homem preso, estava dentro de uma das residências vistoriada, situada na Vila Fanny, e contava com um mandado de prisão em aberto por não pagamento de pensão alimentícia.

Durante a ação os policiais encontraram aproximadamente 500 arquivos de abuso infantil e mais de 12 mil arquivos pornográficos, entre eles centenas contendo materiais como fotos e vídeos de crianças e adolescentes em situação de exploração sexual. Também foram apreendidos computadores, HDs e celulares para apurar a existências de demais materiais ilegais, bem como seu compartilhamento.

Os homens foram autuados por posse de material de abuso infantil, conforme Artigo 241-B do Estatuto da Criança e do Adolescente. Todos eles permanecem detidos à disposição da Justiça.