Pessoas com deficiência auditiva digitalizam 5,4 mil páginas por dia no TJPR

Jordana Martinez


TJPR

O grupo de 39 digitalizadores que atua no Tribunal de Justiça do Paraná conta com cinco pessoas com deficiência auditiva. A integração entre os colegas do setor é total. Tanto que toda a equipe acaba de concluir um curso de libras, o que melhorou ainda mais a relação entre os servidores e a sua produtividade. Em média, eles digitalizam 660 mil páginas a cada mês.

A Supervisora do Centro de Digitalização do TJPR, Daniela Ribas Rocha, explica que o trabalho está rigorosamente em dia, enquanto anteriormente havia mais de 30 mil processos em atraso. Ela informa também que a produtividade é ainda maior entre os servidores com deficiência auditiva.

Segunda ela, a média individual do grupo é de 3,3 mil páginas por dia, enquanto a produção dos servidores com deficiência chega a 5,4 mil páginas diárias. “O rendimento do trabalho reflete o quanto eles sentem-se felizes e valorizados aqui, é uma oportunidade única de inclusão. Aqui a integração é completa, não existe deficiência”, diz Daniela.

Parceria –

A inclusão social é uma bandeira defendida pelo Tribunal de Justiça do Paraná. Desde 2010, o projeto Abraçar para Incluir, uma parceria entre o TJPR e a Universidade Livre para a Eficiência Humana (Unilehu), viabiliza a contratação de pessoas com deficiência para, em conjunto com estagiários de nível médio e superior, desenvolverem o trabalho de digitalização, validação e indexação dos recursos aos Tribunais Superiores.

Esta inclusão coloca o TJPR e a Unilehu como pioneiros no Paraná em participar do Projeto de Inclusão Social, onde os deficientes auditivos realizam atividades intelectivas e não apenas mecanizadas.

A Supervisora do Centro de Digitalização do TJPR informa que o objetivo é expandir o projeto e, desta forma, beneficiar mais pessoas com deficiência.

Para a digitalizadora com deficiência auditiva Thais Mirelle Legiehn Rodrigues, que anteriormente trabalhava como estoquista no comércio, a oportunidade de atuar no TJPR tem sido maravilhosa. Há 11 meses no Tribunal, ela conta que se desenvolveu como pessoa, profissional e conquistou novas amizades. “Depois que os meus colegas fizeram o curso de libras, o entrosamento com eles está ainda melhor, me sinto bem feliz aqui”, diz.

Um de seus colegas, José Augusto dos Reis, elogia o trabalho e a convivência com as pessoas com deficiência. “Eles são excelentes profissionais”, comenta. Após fazer o curso de libras, José Augusto conta que o convívio social com o grupo melhorou. “Além de conversar sobre o nosso trabalho, falamos hoje sobre outros assuntos, como futebol, e já saímos algumas vezes”, diz. “Tem sido muito divertido”.

Reconhecimento internacional –

O trabalho desenvolvido em parceria entre o TJPR e a Unilehu  atraiu atenção internacional e conquistou um importante benefício. Nesta semana, A Unilehu recebeu a visita de representantes da SAP (Social Sabbatical), realizado no Brasil pela Pyxera Global, vindos da Alemanha, Filipinas e Estados Unidos.

A executiva filipina da SAP, Roxanne Bautista, esteve no Centro de Digitalização do TJPR na terça-feira (19/7) e ficou encantada com o projeto. “Eu desconheço no mundo um projeto de inclusão social em parceria com uma instituição governamental como este”, elogiou. Ela é uma das executivas que serão responsáveis por uma consultoria de planejamento estratégico com voluntários internacionais, com a qual o projeto foi agraciado.

 

Previous ArticleNext Article
Jordana Martinez
Profissional multimídia com passagens pela Tv Band Curitiba, RPC, Rede Massa, RicTv, rádio CBNCuritiba e BandNewsCuritiba. Hoje é editora-chefe do Paraná Portal.