PF prende dois e coleta DNA de 33 suspeitos de roubos a banco

Redação


Duas pessoas foram presas em Londrina, no norte do Paraná, durante a Operação Tangram deflagrada pela Polícia Federal, nesta sexta-feira (20). A ação também coletou material genético de 33 suspeitos do crime de roubo a banco, praticados no ano de 2018, nas cidades de Pitanga, Lapa, Ponta Grossa, Colombo e Palmeira. As coletas de DNA ocorreram nos Estados do Rio Grande do Norte, Rondônia e Paraná.

As coletas de DNA acontecem nas cidades de São José dos Pinhais, Piraquara, Londrina, Porto Velho/RO e Mossoró/RN. Os mandados judiciais foram expedidos pela 1ª Vara Federal de Ponta Grossa.

O inquérito policial foi instaurado no dia 19/03/2018 após ataques de diversos criminosos armados a três instituições bancárias na cidade de Pitanga. Segundo a PF, a partir da coleta de vestígios e apreensão de evidências nos locais de crime, inclusive um mapa que indicava o posicionamento dos participantes da ação armada na cidade, foram realizadas várias diligências policiais e elaborados laudos periciais inclusive de confronto balístico que apontaram que algumas das armas dos criminosos foram usadas em roubos a banco em 5 cidades distintas, em períodos diversos.

A coleta de material genético (DNA) pretende identificar outros criminosos que teriam participado de roubos a banco em cidades do Paraná. Os mandados de prisão relacionam-se a indivíduos contra os quais há indícios suficientes de participação na ação criminosa contra instituições bancárias em Pitanga.

Os presos serão indiciados pelos crimes de roubo qualificado, cuja pena pode chegar até 15 anos de reclusão.

OPERAÇÃO TANGRAM

O nome da operação faz referência a um quebra-cabeça com peças de tamanhos diferentes, em alusão ao mapa que foi encontrado rasgado pelos suspeitos em um dos locais de crime. O mapa estava rasgado em pedaços de tamanhos diferentes e foi preciso ser montado, assim como o quebra-cabeça.

Previous ArticleNext Article