PM afastado atira contra rapaz em posto de combustíveis

Narley Resende


Um policial militar, de 38 anos, foi preso em flagrante por tentativa de homicídio na madrugada desta quinta-feira (13), depois de atirar contra um rapaz em situação de rua, em um posto de combustíveis na Avenida Presidente Getúlio Vargas, esquina com com a Avenida República Argentina, no bairro Água Verde, em Curitiba.

O rapaz foi baleado em uma perna e no braço esquerdo. Ele foi encaminhado ao Hospital do Trabalhador, onde está internado. O PM usava um revólver calibre 32, sem registro, segundo a Polícia Civil.

O policial, que não teve o nome divulgado, mas se chamaria “Guilherme”, ingressou na PM em 2010 e está afastado das ruas desde 2014 por problemas disciplinares, mas mesmo assim continuava armado.

Com a nova ocorrência, em que alega legítima defesa, ele foi encaminhado à Central de Flagrantes da Polícia Civil, no Centro, prestou depoimento e agora está detido no Batalhão de Polícia de Guarda, em Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba.

Na Polícia Civil, ele foi autuado em flagrante por tentativa de homicídio e porte ilegal de arma. Há quase quatro anos, o policial responde a um processo disciplinar na Polícia Militar.

Veja a nota da PM na íntegra:

“NOTA DA PM SOBRE CASO DE POLICIAL MILITAR ENVOLVIDO COM DISPARO DE ARMA DE FOGO EM CURITIBA – 14.12.17

A Ajudância Geral da Polícia Militar informa que o policial militar foi autuado em flagrante na madrugada desta quinta-feira (14/12) por porte ilegal de arma de fogo e lesão corporal e encaminhado à uma unidade da PM, onde ficará à disposição da Justiça. Na madrugada uma equipe da PM foi até a Avenida Republica Argentina, na Vila Izabel, após receber informações de disparo de arma de fogo no local. Logo depois, o policial foi preso.

A PM informa ainda que o militar estadual ingressou na Corporação em 2010 e desde 2014 está afastado por problemas de saúde e submetido a um processo de apuração disciplinar devido ao seu envolvimento em outras situações. O procedimento tem por finalidade apurar as condições de permanência ou não do policial militar no serviço ativo da instituição ou determinar a sua reforma.

Desde o primeiro fato registrado o policial militar também teve seu porte de arma e fardamento suspenso e, por isso, hoje foi preso por porte ilegal de arma de fogo e lesão corporal. A vítima, que estava no local, foi encaminhada ao hospital do Trabalhador pelo Siate.

A PM não compactua com desvios de conduta de seus integrantes. Importante ressaltar que a Corporação, para qualquer situação denunciada, busca a elucidação de todos os fatos, e, se restar comprovada responsabilidade para qualquer um dos policiais militares, os instrumentos adequados de saneamento são adotados, na forma legal, sendo respeitados os direitos ao devido processo legal, de saúde, e a ampla defesa e ao contraditório, para qualquer militar estadual.”

Previous ArticleNext Article