PM-PR desmente delegado-geral de SP e diz que não informou prisão de Paulo Cupertino

Angelo Sfair

paulo cupertino, caso paulo cupertino, paulo cupertino no paraná, pm, pmpr, polícia militar do paraná, pcpr, polícia civil do paraná, delegado-geral de são paulo, rafael miguel, chiquititas

A Polícia Militar do Paraná informou, na tarde desta quarta-feira (28), que não fez nenhum comunicado oficial às autoridades de São Paulo sobre a suposta prisão de Paulo Cupertino, acusado pela morte do ator Rafael Miguel e dos pais dele, em junho de 2019.

Dessa forma, a corporação desmente o delegado-geral de Polícia de São Paulo, Ruy Ferraz Fontes, que atribuiu a informação à Polícia Militar do Paraná.

Por meio de nota, a PM-PR “esclarece que não existiu a prisão de Paulo Cupertino por parte de equipes policiais militares, bem como não existiu comunicado oficial a nenhum órgão ou instituição de que teria havido tal prisão”.

O texto diz, ainda, que o equívoco em repassar tais informações foi da autoridade policial de São Paulo. Acompanhe a íntegra das notas oficiais ao final do texto.

A Polícia Civil do Paraná, por sua vez, informou por meio de nota que “não divulgou informações, assim como não confirmou, em nenhum momento, a prisão de Paulo Cupertino”.

A corporação alega que não foi feito nenhum contato e nenhuma solicitação de informações pela Polícia Civil de São Paulo que tratasse de uma suposta prisão no Paraná.

CASO PAULO CUPERTINO

Acusado pela morte do ator Rafael Miguel e dos pais dele, em junho de 2019, Paulo Cupertino é considerado foragido desde junho, quando a Justiça converteu o pedido de prisão temporária em prisão preventiva.

Na semana passada, descobriu-se que o acusado fez documentos falsos na cidade de Jataizinho, no norte do Paraná, a cerca de 400 km de Curitiba. O ex-empresário teria passado a usar o nome falso de Manoel Machado da Silva.

Paulo Cupertino Matias tem pelo menos nove crimes registrados entre 1990 e 1999. O homem está na lista dos foragidos mais procurados pela polícia de São Paulo.

Ele foi acusado de matar a tiros o então genro Rafael Miguel, de 22 anos,  e os pais dele — João Alcisio Miguel, de 52 anos e Miriam Selma Miguel, de 50 anos.

O comerciante teria feito 13 disparos. Destes, sete acertaram o ator. Paulo Cupertino era contra o relacionamento do jovem com a filha dele, Isabela Tibcherani, à epoca com 18 anos.

NOTA DA POLÍCIA MILITAR DO PARANÁ

A Polícia Militar do Paraná esclarece que não existiu a prisão de Paulo Cupertino por parte de equipes policiais militares, bem como não existiu comunicado oficial a nenhum órgão ou instituição de que teria havido tal prisão.

A PM do Paraná afirma que houve um equívoco por parte da autoridade policial de São Paulo ao efetuar tais informações.

A PM do Paraná reitera que não pode ter havido confusão por parte desta instituição sobre uma informação que não foi dita pela PMPR.

Qualquer outra informação divulgada diferente do conteúdo desta nota não representa a posição oficial da Polícia Militar do Paraná sobre o assunto.

NOTA DA POLÍCIA CIVIL DO PARANÁ

A Polícia Civil do Paraná (PCPR) informa que não divulgou informações, assim como não confirmou, em nenhum momento, a prisão de Paulo Cupertino.

Também não foi feita solicitação de informações ou contato com a Polícia Civil de São Paulo que tratasse de uma suposta prisão.

Todas as informações sobre o caso foram veiculadas exclusivamente via imprensa, sem confirmação oficial da PCPR.”

Previous ArticleNext Article