PM recebe mais de 12 mil trotes por mês em Maringá

Rosangela Gris, do Metro Jornal MaringáPrimeira opção para quem precisa comunicar um crime ou informar uma situação susp..

Fernando Garcel - 16 de novembro de 2016, 13:18

Rosangela Gris, do Metro Jornal Maringá

Primeira opção para quem precisa comunicar um crime ou informar uma situação suspeita, o telefone 190 da Polícia Militar (PM) de Maringá recebe, em média, 40 mil ligações por mês. Desse total, 12 mil são trotes. “Estimamos que 30% das ligações recebidas na central, que presta atendimento a Maringá e Sarandi, sejam trotes”, calcula a tenente Kelly Cristina Camargo Chagas, oficial de Comunicação Social do 4º BPM.

Ainda segundo a tenente Cristina, o trote mais comum é o feito por crianças e adolescente, que ligam para xingar os atendentes ou simplesmente permanecem calados. “A maioria dessas ‘brincadeiras’ ocorre no intervalo ou no final dos turnos escolares, logo após ao meio-dia ou no fim da tarde. Nesses casos, o maior prejuízo é a obstrução da linha”, diz a oficial.

Já os casos de falsa comunicação de crime, além de ocupar as linhas telefônicas, implicam no deslocamento de equipes e viaturas. “Independente da motivação, o trote prejudica o atendimento das situações que realmente apresentam riscos aos solicitantes e podem até custar uma vida”, alerta a tenente.

Ela ressalta que passar trote na PM, em qualquer situação, é crime. Dependendo do caso, os autores podem responder por desacato, falsa comunicação de crime ou interromper ou perturbar serviço telefônico. A pena varia de três meses a dois anos de detenção ao pagamento de multa, de acordo com a gravidade. “Em 2015, tivemos dois casos de ofensas ao atendentes da central cujos autores foram identificados e condenados a pagarem cestas básicas”, conta a tenente.